Tanque de gasolina cheio consome 33% do salário mínimo no Brasil

Gasolina no Brasil é mais cara do que das grandes economias da América Latina; brasileiros culpam o presidente Jair Bolsonaro

0

As dificuldades para encher o tanque de gasolina no Brasil não param de crescer. Nos últimos tempos, o brasileiro precisou gastar cada vez mais para abastecer seus veículos. E especialistas afirmam que os preços do combustível podem subir ainda mais no decorrer do ano.

Aliás, a gasolina comercializada no Brasil é mais cara do que em qualquer outra grande economia da América Latina. A saber, encher o tanque de gasolina no país consome 33% do salário mínimo. Isso quer dizer que um terço do piso salarial brasileiro segue apenas para gastos com combustível.

Veja abaixo as economias latino-americanas que apresentam o maior percentual do salário mínimo consumido para encher o tanque de gasolina:

  • Brasil – 33%
  • México – 24%
  • Argentina – 18%
  • Chile – 17%
  • Colômbia – 13%

Ao considerar com os Estados Unidos, maior economia global, a diferença é ainda maior. Em resumo, os americanos precisam gastar 6% do salário mínimo para encher o tanque de gasolina.

Vale destacar que o preço médio nacional do combustível chegou a R$ 7,28 na semana passada, segundo a ANP. Já a capacidade média do tanque ficou estabelecida em 55 litros. E todos os resultados consideraram estes fatores.

Em novembro do ano passado, o tanque de gasolina cheio consumia 22% do salário mínimo vigente, de R$ 1.100. Neste caso, o percentual foi obtido com base nos cálculos considerando um tanque de 35 litros. À época, a gasolina acumulava uma forte alta de 74% nas refinarias do país.

Brasileiros culpam Bolsonaro pelos combustíveis mais caros

De acordo com a pesquisa Ipespe, realizada entre 16 e 18 de maio, os brasileiros culpam mais o presidente Jair Bolsonaro (PL) pelo encarecimento dos combustíveis do que a invasão da Ucrânia. Nem mesmo a política de preços da Petrobras é vista como principal fator para o aumento dos combustíveis no país.

Aliás, Bolsonaro deseja congelar os preços dos combustíveis ao menos até as eleições. A saber, ele é pré-candidato à reeleição e teme que sua popularidade seja afetada por mais altas dos preços dos combustíveis. Pelo que mostra a pesquisa, a maior parte da população já acredita que o preço elevado é culpa do presidente.

Por fim, o governo também vem pensando em criar o “bolsa caminhoneiro” para evitar uma eventual greve da categoria. Em síntese, os caminhoneiros do país vêm criticando os altos preços do diesel, e a equipe econômica teme paralisações dos trabalhadores.

Leia Também: Petróleo sobe de novo e pode provocar novos reajustes nos combustíveis

5/5 - (1 vote)
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.