Prêmio Nobel de Literatura apoia Bolsonaro nas eleições presidenciais

0

O autor ganhador do Prêmio Nobel de Literatura, Mario Vargas Llosa, proeminente cronista sobre poder e corrupção da América Latina, anunciou que prefere Jair Bolsonaro, em vez de Luis Inácio Lula da Silva. O escritor peruano de 86 anos, que também tem nacionalidade espanhola, revelou seus pensamentos sobre as eleições gerais de outubro em um discurso no Uruguai nesta semana.

Entendo o caso 

Embora tenha mostrado alinhamento com ideias de esquerda em sua juventude, incluindo seu apoio à Revolução Cubana de Fidel Castro, Vargas Llosa gradualmente se inclinou para a direita entre os anos 1970 e 1980. Em 1990, ele concorreu à presidência do Peru na coalizão de centro-direita Fredemo, sendo derrotado por Alberto Fujimori. O escritor disse que Lula era amado na Europa apesar de sua condenação como “ladrão”. Importante destacar que, as polêmicas acusações de corrupção mencionadas por Vargas Llosa foram retiradas no ano passado.

No entanto, quando se trata do ataque do presidente à vacina contra a Covid-19, seu apoio a Bolsonaro está longe de ser acrítico. “É uma loucura, é ridículo ir contra à sua maneira”, disse Vargas Llosa. “Isso me fez sentir completamente irresponsável.”

Apoio a direita em eleições 

Esta não é a primeira vez que o romancista endossou um candidato de direita. Apenas alguns meses antes do segundo turno das eleições presidenciais do Peru no ano passado, Vargas Llosa engavetou décadas de duras críticas à dinastia política de Fujimori, quando pediu aos eleitores que apoiassem a filha de seu ex-inimigo Keiko, não seu oponente extremo. Sai, Pedro Castillo.

“Os peruanos deveriam votar em Keiko Fujimori porque ela representa o menor de dois males, e se ela estiver no poder há mais possibilidades de salvar nossa democracia”, escreveu ele em sua coluna no jornal espanhol El País. Em 2009, a presidência de Alberto Fujimori foi representada pelo terrorismo do Sendero Luminoso, a turbulência econômica e a corrupção política, por autorizar esquadrões de assassinato e presidir 25 anos de prisão desenfreada por corrupção e fraude eleitoral.

No entanto, quando o vizinho Chile votou no último turno das eleições presidenciais em dezembro passado, Vargas Llosa apoiou o ultraconservador José Antonio Castor em detrimento do eventual vencedor, Gabriel Borric.

Polêmica envolvendo Mario Vargas Llosa

Vargas Llosa, vem se desviando ainda mais para a direita com a idade, causando alvoroço em outubro do ano passado quando disse que votar da maneira certa nas eleições era mais importante do que ter eleições livres. “A América Latina sem dúvida sairá [de uma situação muito difícil] quando os latino-americanos descobrirem que votaram mal”, disse ele na convenção nacional do conservador Partido Popular da Espanha.

“O importante nas eleições não é que haja liberdade nessas eleições. É votar bem , e votar bem é algo muito importante porque os países que votam mal, como aconteceu em alguns países da América Latina, pagam caro por isso.”

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.