‘Isso se chama política’, diz Lula ao comentar chapa com Alckmin

"Isso chama-se maturidade”, disse Lula ao comentar sobre sua união com Alckmin, que era do PSDB, mas se filiou ao PSB no final de março

0

Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ex-presidente, comentou neste sábado (30) sobre a aliança dele com seu ex-rival Geraldo Alckmin (PSB). De acordo com o petista durante um encontro com mulheres na Brasilândia, zona norte da capital paulista, a união com o ex-governador de São Paulo está atribuída à “política” e à “maturidade”.

“De vez em quando, Alckmin, alguém fala: ‘Ah, mas o Lula e o Alckmin já divergiram. Por que eles agora estão juntos?’ Porque isso se chama política. Isso chama-se maturidade”, começou Lula ao comentar sobre sua união com o ex-governador, que era do PSDB, mas se filiou ao PSB no final de março.

“Isso se chama se compromisso com este país e compromisso com o povo brasileiro”, disse Lula, que ouviu de Ackmin que os dois foram rivais ao disputarem o segundo turno em 2006, mas sempre “dentro da regra democrática”.

“Hoje estamos unidos por um dever. A política é aliada ao interesse público, ao interesse das pessoas, que é mudar o Brasil, recuperar este país”, declarou Alckmin durante o evento na capital paulista.

Planos de Lula

Durante o encontro na Brasilândia, Lula ainda comentou sobre algumas ações que pretende adotar caso seja eleito novamente como presidente da República. Dente eles estão:

  • Combater a fome;
  • Abrir crédito para pequenos empresários;
  • E acabar com o chamado “orçamento secreto”.

Além de falar sobre as ações, Lula cutucou o presidente Jair Bolsonaro (PL), dizendo que, hoje, o Brasil tem um líder “que não tem sentimento”, que “não respeita as instituições”.

“Ele não respeita a Câmara, não respeita o Senado, não respeita a Suprema Corte, não respeita sindicato, não respeita quilombolas, não respeita mulher, não respeita LGBT, não respeita ninguém”, disse Lula.

Assim como o ex-presidente, Alckmin também alfinetou Bolsonaro, dizendo que é “inaceitável que tenhamos um governo que despreza a vida humana, que enquanto o povo sofre está fazendo motociata, andando de moto, gastando e torrando dinheiro público, andando de jet-ski, com o povo desempregado, sofrendo, com saudade da tortura e da violência”.  “Não, não se constrói um país assim”, afirmou ele, completando que o próximo governo terá quatro anos para fazer o que “seria necessário fazer em 40″.

Leia também: Lula defende piadas com nordestinos e diz que ‘o mundo está chato’ 

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.