Crise no MEC: Mulher apontada como secretária de pastores foi quatro vezes ao Planalto

Prefeitos afirmam que era Nely Jardim, dizendo ser auxiliar dos prefeitos, a responsável por oferecer ajuda para liberar verbas do MEC

0

Segundo informações veiculadas no Jornal Nacional, da “TV Globo”, Nely Jardim, que é apontada por prefeitos como a secretária dos pastores próximos ao Ministério da Educação (MEC), esteve quatro vezes no Palácio do Planalto desde 2019, quando o presidente da república, Jair Bolsonaro (PL), assumiu a presidência.

PGR não vê indícios para indiciar Bolsonaro em escândalo

De acordo com a emissora carioca, das quatro visitas, pelo menos três aconteceram em horários que coincidiram com as visitas feitas ao local pelo pastor Arilton Moura, um dos investigados por pedir propina a prefeitos para que fosse possível haver o repasse de verbas.

Ainda conforme a “TV Globo”, esses dados foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação, que ainda mostrou que Nely Jardim foi à Secretaria de Governo, responsável pela articulação com o Congresso, e à Casa Civil.

Essa revelação acontece após prefeitos terem dito que era Nely Jardim, dizendo ser auxiliar dos prefeitos, a responsável por oferecer ajuda para liberar verbas do MEC. Isso, em troca de que os prefeitos dessem apoio eleitoral aos candidatos que ela indicasse.

Na matéria do Jornal Nacional, um prefeito, que preferiu não revelar seu nome, disse que, em uma das reuniões no MEC, em março de 2021, foi abordado por Nely Jardim. Na ocasião, conta ele, a mulher lhe ofereceu um contrato de “assessoria”.

O motivo, contou o prefeito, seria ajudar na liberação de recursos da pasta. Após ter oferecido a “ajuda”, a mulher ainda teria oferecido o acesso ao orçamento de dois ministérios. Isso, em troca de apoio eleitoral para candidatos que ela indicasse.

“Estamos com orçamento do MEC e Saúde […]Queremos em troca uns votos para nosso deputado estadual da igreja. Interessa?”, teria dito a mulher em uma mensagem. Em resposta, afirma o prefeito, ele perguntou quem seria o candidato. Logo na sequência, Nely Jardim disse que o candidato era “novo”, sugerindo que a pessoa era o pastor Arilton Moura.

Nos registros, Nely Jardim aparece como “assessora”, sem mais especificações. Em outras oportunidades, no entanto, ele aparece como sendo a representante da Igreja Cristo para Todos.

Leia também: Presidente do União Brasil afirma que nunca prometeu para Moro a candidatura à presidência

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.