Bolsonaro pede que STF arquive apuração sobre vazamento de informação

O vazamento aconteceu quando Bolsonaro divulgou a íntegra de um inquérito da PF sobre um suposto ataque ao sistema interno do TSE.

0

O presidente da república, Jair Bolsonaro (PL), recorreu nesta sexta-feira (06) e pediu que o Supremo Tribunal Federal (STF) arquive imediatamente o inquérito que investiga se ele vazou dados sigilosos durante uma transmissão nas redes sociais no ano passado.

Bolsonaro contesta sistema de votação e TSE responde

Esse vazamento aconteceu em agosto de 2021, quando Bolsonaro divulgou nas redes sociais a íntegra de um inquérito da Polícia Federal (PF) que apura o ataque ao sistema interno do TSE em 2018 – conforme o próprio tribunal, o fato não representou qualquer risco às eleições.

Na ação, a Advocacia-Geral da União, que é quem representa o presidente, classificou como “abuso investigatório” o despacho assinado pelo ministro do STF Alexandre de Moraes, que abriu prazo de 15 dias para que a Polícia Federal conclua a análise da quebra de sigilo telemático (mensagens) autorizada no caso.

Assim como publicou o Brasil123, antes da determinação de Alexandre de Moraes, a Procuradoria-Geral da República (PGR) havia enviado um parecer ao Supremo recomendando que fosse determinado o arquivamento da investigação.

Na ocasião, no entanto, Polícia Federal afirmou que existiam indícios de que o presidente Bolsonaro cometeu crime ao divulgar os dados. À época, Alexandre de Moraes ainda determinou a quebra de sigilo do ajudante de ordem da Presidência Mauro Cid, julgando que tal ato era fundamental para a investigação.

“A Polícia Federal, ao concluir a investigação encaminhou as mídias que contém o material obtido da quebra de sigilo telemático, não elaborando, entretanto, relatório específico da referida diligência, essencial para a completa análise dos elementos de prova pela Procuradoria-Geral da República”, afirmou o ministro.

Para a defesa de Bolsonaro, no entanto, a nova diligência não é necessária para esclarecer os fatos e ainda mostra um certo “abuso investigatório” por parte de Alexandre de Moraes. “Existe a absoluta ausência de necessidade para nova remessa dos autos à Polícia Federal, mostrando um injustificável excesso de prazo e abuso investigatório”, diz o recurso.

Leia também: Para Bolsonaro, denúncias de corrupção não têm consistência

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.