Viúva de Adriano da Nóbrega afirma saber quem mandou matar Marielle

A mulher, que negocia uma delação premiada com o MP, apontou que sabe quem foi o mandante da execução da vereadora Marielle Franco

0

Novos capítulos sobre a morte da vereadora Marielle Franco e do seu motorista Anderson Gomes podem ser revelados em breve. Isso porque, de acordo com uma reportagem da “Veja”, a viúva do miliciano Adriano da Nóbrega, Julia Mello Lotufo, apontou que sabe quem foi o mandante da execução.

Corpo de miliciano Adriano da Nóbrega é exumado a pedido do MP da Bahia

Segundo a publicação, a informação foi revelada aos procuradores do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), pois Julia Lotufo negocia uma delação premiada com o órgão.

Na ocasião, a mulher teria detalhado a participação de Adriano em uma dezena de homicídios e ainda revelado uma lista de agentes públicos que receberam propina para acobertar os crimes.

Atualmente, Julia está em regime de prisão domiciliar, sendo obrigada a usar tornozeleira eletrônica. A proposta de uma delação premiada partiu dela mesmo, que pretende conseguir a revogação das medidas restritivas determinadas pela Justiça.

Mulher nega envolvimento de Adriano da Nóbrega

Ainda conforme publicou a “Veja”, Julia Lotujo nega que o ex-marido tenha participado do assassinato de Marielle e Anderson. Todavia, ela afirma que integrantes de uma milícia carioca procuraram Adriano para discutir a possibilidade de ele preparar um plano para matar a vereadora.

Segundo a mulher, os milicianos afirmavam que a atuação de Marielle estaria colocando em risco os negócios da milícia. Aos promotores, Julia Lotujo disse que Adriano recusou a proposta porque considerava a ideia absurda e arriscada, especialmente por envolver uma parlamentar.

Da onde partiu a ordem

Quando soube da morte da vereadora, informou a mulher, Adriano teria se surpreendido e, por isso, foi cobrar satisfações de comparsas, ouvindo que a ordem havia partido do alto-comando da milícia Gardênia Azul.

Segundo a “Veja”, um dos líderes da milícia em questão é o ex-vereador Cristiano Girão. Em setembro de 2020, a Polícia Civil, juntamente com o MPRJ, realizaram busca e apreensão em endereços de Cristiano Girão e de pessoas ligadas ao policial militar reformado Ronnie Lessa, preso por participar do assassinato de Marielle.

Por fim, a reportagem da revista informa que ninguém quis informar o nome da pessoa que, conforme o relato de Julia Lotujo, teria ordenado a execução da parlamentar.

Leia tambem: Acusado de matar Marielle, Ronnie Lessa é condenado por destruição de provas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.