Veja alguns efeitos dos juros altos no Brasil e se proteja

Banco Central elevou taxa básica de juros para o maior nível em mais de cinco anos; população deve fugir dos efeitos negativos da medida

0

O Banco Central (BC) elevou na semana passada a taxa básica de juro da economia brasileira, a Selic. O avanço fez a taxa chegar a 12,75% ao ano, maior percentual desde fevereiro de 2017.

Em resumo, a Selic é o principal instrumento do BC para conter a inflação no Brasil. Quanto mais alta a taxa estiver, mais altos ficarão os juros no país. Isso reduz o poder de compra do consumidor e desaquece a economia.

Dessa forma, a tendência é que haja uma redução da “inflação por demanda”, uma vez que as pessoas passam a comprar menos. No entanto, até agora, tanto a inflação quanto os juros continuam em níveis bastante elevados.

Veja os efeitos diretos para a população

A Selic mais alta impulsiona os juros, como o bancário e o imobiliário. Em outras palavras, as pessoas que decidirem comprar um imóvel ou pedir crédito a bancos precisarão pagar mais caro. Por isso, muita gente prefere esperar o cenário melhorar para contratar crédito, por exemplo.

Aliás, vale destacar que os cartões de crédito também refletem essa alta dos juros. Em suma, as pessoas que não pagam a fatura em dia receberá “multa” por atraso bem mais cara que antigamente.

Além disso, os juros mais altos no país afetam a capacidade de investimento das empresas. Como a inflação está muito elevada, e é justamente por isso que os juros também vêm subindo, a economia acaba crescendo menos, pois o poder de compra da população diminui.

Fuja dos juros

Diante desse cenário, o brasileiro deve fugir dos juros altos para não ter tanta dor de cabeça. Veja abaixo algumas dicas:

  • Não financie imóveis: essa modalidade é caracterizada pelo pagamento de taxas durante muitos anos. Como os juros estão elevados, as parcelas mensais tendem a ficar muito altas com a Selic a 12,75% ao ano. Especialistas indicam que as pessoas esperem que a Selic fique mais baixa, o que só deverá acontecer ao final de 2023.
  • Não contrate crédito: assim como acontece com o setor imobiliário, o bancário também apresenta juros mais altos com uma Selic elevada. A recomendação é que os brasileiros esperem uma redução da taxa básica de juro da economia para buscar crédito.
  • Pague suas contas em dia: nem todos sabem, mas os juros das contas atrasadas de cartão de crédito ficam mais altos com a Selic elevada. Isso quer dizer que os atrasos sairão bem mais caros do que antigamente, ou seja, pague suas contas antes do vencimento.
  • Economize: o cenário econômico do Brasil não está muito favorável. As projeções de crescimento para 2022 são bem tímidas. Então, o melhor a se fazer é economizar para tentar pagar as contas em dia e não precisar contratar crédito. Caso seja possível, poupe para emergências.

Leia Também: Dinheiro é a maior preocupação de 74% dos trabalhadores do país

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.