Temer diz que Lula quer restabelecer o imposto sindical e por isso critica a reforma trabalhista

Temer rebateu as falas de Lula dizendo que o petista tem como “única intenção”, a de “restabelecer o imposto sindical”

0

Após os seguidos ataques do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à reforma trabalhista, foi a vez do também ex-chefe do Executivo Michel Temer (MDB) se pronunciar sobre o fato, dizendo que o petista ataca a reformulação porque quer estabelecer o imposto sindical, que se tornou opcional com a reforma aprovada em 2017.

Na quinta-feira (12), assim como publicou o Brasil123, Lula disse que “a mentalidade de quem fez a reforma trabalhista e a reforma sindical é a mentalidade escravocrata, a mentalidade de quem acha que o sindicato não tem que ter força, que o sindicato não tem representatividade”.

Nesta sexta, Temer rebateu as falas de Lula dizendo que o petista tem como “única intenção”, a de “restabelecer o imposto sindical”. “Sendo assim, que o diga expressamente e não faça acusações a quem não retirou nenhum direito dos trabalhadores, direito esses que estão previstos no artigo 7º da Constituição Federal”, começou Michel Temer.

“E de igual maneira, a nossa reforma trabalhista acrescentou direitos aos trabalhadores brasileiros como manifestado acima”, disse Temer, que ainda saiu em defesa da reforma, que foi feita durante o tempo em que ele estava no comando do Palácio do Planalto.

Temer rebateu as falas de Lula dizendo que o petista tem como “única intenção”, a de “restabelecer o imposto sindical”.
Temer rebateu as falas de Lula dizendo que o petista tem como “única intenção”, a de “restabelecer o imposto sindical”. (Foto: reprodução)

Para Temer, o que a reforma  trabalhista fez aos trabalhadores brasileiros foi diminuir as discussões judiciais entre empregado e empregador. “Isso foi útil para a harmonia e o progresso do país”, disse ele, explicando que a reforma também eliminou a contribuição obrigatória de todo trabalhador para os sindicatos.

“E vocês sabem que existiam perto de 17 mil sindicatos no Brasil, enquanto nos Estados Unidos são 130, na Alemanha 8 e na Argentina 91”, afirmou, enumerando que a reforma aprovada em 2017 também estabeleceu aos trabalhadores:

  • Férias parceladas;
  • Banco de Horas;
  • Tele-trabalho, o home-office;
  • E a proteção do trabalho intermitente, conhecido como trabalho temporário.

Por fim, Temer ainda ressaltou que os sindicados são importantes. No entanto, afirma ele, isso, a partir do momento que há a colaboração natural dos trabalhadores, ou seja, sem que eles sejam obrigados a nenhuma ação.  “Os sindicatos são importantes, não há a menor dúvida, mas eles se tornam mais importantes, mais significativos, com a colaboração espontânea dos trabalhadores”, disse o ex-presidente da República.

Leia também: Prefeito de cidade do interior de SP se dividirá entre gestão do município e coordenação da campanha de Lula; entenda

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.