Preços dos alimentos ‘na porta de fábrica’ sobem pelo 4º mês seguido

Variação dos preços acumulada entre janeiro e maio chega a 5,85%; população precisa pagar mais caro para comprar alimentos

0

A população brasileira está pagando mais caro pelos alimentos desde o ano passado. A cada mês que se passa, os preços de diversos itens sobem significativamente, e o consumidor tenta encontrar meios de superar a inflação. No entanto, a situação não deve melhorar, pelo menos não no curto prazo.

De acordo com um levantamento divulgado na quinta-feira (30) pelo IBGE, a inflação dos alimentos variou 0,32% em maio. Embora a variação tenha sido menor que a de abril (2,21%), foi a quarta consecutiva. Aliás, com o acréscimo desse resultado, o setor passa a acumular alta de 5,85% em 2022 e de 19,15% nos últimos 12 meses.

Em resumo, a variação registrada em maio se refere aos preços “na porta de fábrica”, ou seja, que não têm influência de impostos e frete. Isso mostra que o consumidor final poderá sofrer com produtos ainda mais caros, uma vez que há diversos fatores que encarecem os itens nos supermercados.

Segundo o analista da pesquisa, Felipe Câmara, a desaceleração observada em maio aconteceu devido ao “fim da colheita da soja e ao maior nível do abate de bovinos, que aumentaram a oferta nestas duas cadeias, puxando o preço médio do setor para baixo”.

Confira mais detalhes do levantamento

Em suma, o IBGE pesquisa seis grupos no setor de alimentação, e quatro deles apresentaram variação negativa em maio. Veja abaixo os números de cada um deles:

  • Fabricação de óleos e gorduras vegetais e animais: -1,63%;
  • Moagem, fabricação de produtos amiláceos e de alimentos para animais: – 0,43%;
  • Torrefação e moagem de café: -0,24%;
  • Abate e fabricação de produtos de carne: -0,03%.

Apesar de a maioria dos grupos ter números negativos em maio, o setor acabou subindo devido à alta nos preços dos laticínios (+2,74%) e da fabricação e refino de açúcar (+1,50%). Aliás, o leite vem pressionando a inflação dos alimentos nos últimos meses, com as bacias leiteiras em baixa, mas os custos em alta.

Por fim, vale destacar que o setor de alimentos é o de maior contribuição no cálculo do Índice de Preços ao Produto, que variou 1,83% em maio. Em suma, o setor responde por 23,04% da variação do índice, segundo o IBGE.

Leia também: Dólar sobe 10% em junho, impulsionado por risco de recessão global

Avalie o Artigo:
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.