Homem morre após ser atacado por tubarão em Pernambuco

De acordo com os bombeiros, ao ser atacado pelo tubarão, a vítima teve lesões graves na coxa e em uma das mãos, que foi amputada

0

Um grave acidente culminou na morte de um homem, de 51 anos, depois que ele foi atacado por um tubarão na praia de Piedade, em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, em Pernambuco. De acordo com as informações, a vítima foi reconhecida como Marcelo Rocha Santos e já chegou sem vida ao Hospital da Restauração (HR), no Recife.

Ao todo, desde 1992, que é quando começaram a ser registrados os ataques no litoral pernambucano, foram notificados outros 62 incidentes com tubarão, informou o Comitê Estadual de Monitoramento (Cemit), que ainda revelou que, destes ataques, 25 terminaram em mortes.

Segundo informações da “Rede Globo”, o ataque deste sábado ocorreu em uma área conhecida como Igrejinha de Piedade. Por lá, onde não existe posto de guarda-vidas, já foram registrados 12 casos. Ao ser atacado, a vítima teve lesões graves na coxa e em uma das mãos, que foi amputada, de acordo com os bombeiros.

Imagens que circulam pelas redes sociais mostram os ferimentos no corpo da vítima do ataque. De acordo com Edriano Gomes, em entrevista à “Rede Globo”,  quando o tubarão atacou, havia apenas uma outra pessoa no mar, além da vítima.

De acordo com os bombeiros, ao ser atacado pelo tubarão, a vítima teve lesões graves na coxa e em uma das mãos, que foi amputada.
De acordo com os bombeiros, ao ser atacado pelo tubarão, a vítima teve lesões graves na coxa e em uma das mãos, que foi amputada. (Foto: rpeodução)

“Era um amigo meu que estava no mar com a pessoa que foi atacada. De repente, ele viu o homem se debatendo. Havia muito sangue na água”, contou na entrevista.

De acordo com o Presidente do Cemit, coronel dos bombeiros Leodilson Bastos, no local em que ocorreu o ataque deste sábado há grande possibilidade de incidentes com tubarão, “porque é aberto e não tem proteção de arrecifes”. Além disso, segundo ele, a maré estava enchendo.

“A gente está num período de chuvas. Então, a água fica turva. Quando esses fatores se unem, a chance de incidente é muito grande”, declarou ele, que ainda disse que o ataque deste sábado aconteceu no meio do dia, um horário diferente da maioria dos incidentes, pois, segundo ele, normalmente, os casos ocorrem mais no fim de tarde, quando fica mais escuro.

Por fim, ele ainda comenta sobre o fato de o ataque ter acontecido em uma área que não conta com posto de guarda-vidas. Segundo Bastos, a vítima estava no raso, tirando a areia do corpo e com a água na cintura. Sendo assim, não tinha como ocorrer a interferência dos bombeiros. “Não existe proibição de banho de mar em Pernambuco. Não estão autorizados esportes náuticos com uso de flutuadores. Os bombeiros fizeram o socorro imediato”, declarou.

Leia também: Padrasto é agredido após negar dinheiro para comprar drogas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.