Governo precisa evitar nova alta do diesel, avaliam aliados de Bolsonaro

Para esses aliados de Bolsonaro, é preciso adotar medidas que visam evitar novos aumentos no preço do diesel

0

Integrantes da cúpula do presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), avaliam que não basta o chefe do Executivo somente ficar dizendo sobre estudos de privatização da Petrobras. Para esses aliados, é preciso adotar medidas que visam evitar novos aumentos no preço do diesel. Isso, ao menos para os setores que mais sofrem por conta desses reajustes.

Bolsonaro diz que quem vê atos de seus apoiadores como antidemocráticos são “imbecis”

A informação sobre as opiniões dos aliados de Bolsonaro foi revelada nesta segunda-feira (16) pelo jornalista Valdo Cruz, da “Globo News”. Ainda de acordo com o comunicador, assessores do chefe do Executivo afirmam que a missão de agir será de Adolfo Sachsida, novo ministro de Minas e Energia.

Hoje, dentro do governo, existem quem defenda ao menos a concessão de um subsídio que atenda categorias como caminhoneiros, taxistas e motoristas de aplicativos. Caso direcionada apenas para essas pessoas, a medida custaria menos do que uma ajuda generalizada aos consumidores de diesel e gasolina.

No entanto, a medida ainda é uma incógnita, visto que, ex-membro do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida já se posicionou contra a concessão de subsídios para controlar os aumentos dos preços de combustíveis enquanto esteve na pasta.

Isso porque, na visão do ministro, a medida causa um efeito pequeno na bomba, fazendo com que o preço suba, por exemplo, em casos de um cenário negativo no mercado externo. “Além do subsídio, outra proposta é utilizar os dividendos da Petrobras para segurar o aumento do diesel pelo menos”, explica Valdo Cruz.

Neste caso, revelou o jornalista, ao invés de repassar os dividendos para a União, os recursos ficariam para a estatal cobrir custos com a retenção de um aumento de preço. Na semana passada, a empresa brasileira anunciou que distribuiria mais de R$ 40 bilhões de dividendos. Deste total, cerca R$ 14 bilhões vão para os cofres públicos.

Todo esse discurso de que é preciso agir acontece porque, dentro do governo, existe a avaliação de que o anúncio sobre os estudos para uma eventual privatização da Petrobras tem um fôlego curto. Além disso, o processo é demorado e não tem impacto nenhum sobre os preços no curto prazo.

Por conta disso, há a defesa da adoção de medidas para segurar novos aumentos de combustíveis, pois eventuais novos aumentos podem impactar diretamente nos planos de Bolsonaro de ser reeleito neste ano.

Leia também: Promessas eleitorais ameaçam teto de gastos

5/5 - (1 vote)

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.