Gasolina do Brasil é a terceira mais cara do mundo, aponta estudo

Cálculos da Oxford Economics revelam que um litro de gasolina comum equivale a 9% do salário médio diário no Brasil; combustível pode ficar ainda mais caro

0

Os motoristas do Brasil sabem bem que precisam gastar bastante para abastecer seus veículos. Os preços dos combustíveis subiram expressivamente nos últimos tempos, e um estudo comprovou que a gasolina comercializada no Brasil é uma das mais caras do mundo.

De acordo com cálculos da Oxford Economics, a gasolina no Brasil é a terceira mais cara do planeta. Em resumo, os preços domésticos do combustível equivalem a 9% do salário mínimo diário no país. Esse é o terceiro maior percentual, empatado com o Paquistão, e apenas atrás de Filipinas (19%) e Indonésia (13%).

A saber, o estudo analisou os preços médios da gasolina em 29 países do planeta mais a zona do euro. Todos os valores obtidos passaram por ajuste em relação ao poder de compra da população. E isso mostra que os brasileiros sofrem com preços realmente altos dos combustíveis no país.

Os cálculos foram feitos pelo economista-chefe para América Latina, Marcos Casarin, e pelo economista-sênior para a região, Felipe Camargo. O resultado obtido no Brasil superou os percentuais de vários vizinhos latino-americanos, como México (7%), Chile (3%) e Colômbia (1%).

Além disso, o preço da gasolina comercializada no Brasil também superou o valor comprometido do salário mínimo em outros países emergentes, como Turquia (5%), Rússia (3%) e África do Sul (2%). O percentual no Brasil também foi maior que o registrado na China (6%) e na zona do euro (2%).

Gasolina pode ficar mais cara no país em 2022

Embora a população venha sofrendo com os altos preços não só da gasolina, mas de outros combustíveis, como o diesel e o etanol, estes produtos podem ficar ainda mais caros no decorrer deste ano.

Em suma, a Petrobras reajustou o preço do litro do diesel em 24,9% e o da gasolina em 18,8% no mês passado. Esses fortes aumentos afetam toda a população, uma vez que diversas atividades econômicas utilizam combustíveis em seu dia a dia. E os reajustes podem acontecer durante todo o ano de 2022.

A saber, a nova política de preços da Petrobras, que está vigente desde 2016, possibilita uma flutuação quase livre dos preços domésticos dos combustíveis. Em outras palavras, a variação dos preços internacionais do petróleo e do dólar afetam diretamente os valores dos combustíveis comercializados pela estatal.

“Como resultado, o combustível agora representa uma parcela maior dos orçamentos das famílias do que qualquer país comparável no mundo, exceto a Indonésia e as Filipinas”, disseram os economistas responsáveis pelo estudo.

“Os custos mais altos de combustível espremeram outros gastos, a ponto de o brasileiro médio agora gastar mais em transporte do que em alimentação ou aluguel”, acrescentaram.

Por fim, a Petrobras pode elevar os preços da gasolina e do diesel caso o petróleo volte a subir fortemente ou mesmo em meio a uma disparada do dólar. Com a guerra entre Rússia e Ucrânia e a inflação global cada vez mais forte, isso não é difícil de acontecer. Resta torcer para que os preços dos combustíveis não subam mais.

Leia Também: Petróleo despenca na semana, mas barril segue acima de US$ 105

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.