Copom define nesta quarta (4) nova taxa de juros básicos do Brasil

Expectativa de analista é que a Selic suba 1,0 ponto percentual; taxa impulsiona juros no Brasil e reduz poder de compra do consumidor

0

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) iniciou na terça-feira (3) a sua terceira reunião de 2022 para definir os novos caminhos da política monetária do Brasil. Neste encontro, o comitê definirá a taxa básica de juro da economia do país, a famosa Selic. Aliás, a decisão será anunciada nesta quarta-feira (4).

A expectativa de analistas é que haja uma elevação de 1,0 ponto percentual (p.p.) da taxa. Caso a previsão se confirme, a Selic avançará para 12,75% ao ano, maior patamar desde fevereiro de 2017, quando os juros do país estavam em 12,25% ao ano.

Inclusive, o mercado financeiro acredita que a taxa chegará a 13,25% ao ano em 2022. Esta projeção faz parte do relatório ‘Focus’, pesquisa do BC que traz a opinião de mais de cem instituições financeiras semanalmente sobre indicadores econômicos do país.

Em suma, o principal objetivo do Copom ao elevar a Selic é segurar a inflação do país, que está nas alturas há tempos. Inclusive o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou na semana passada a prévia da inflação para abril, e a variação foi a mais elevada para o mês em 27 anos.

Entenda a Selic

A saber, uma Selic mais alta impulsiona os juros praticados no país, reduzindo o poder de compra do consumidor. Por exemplo, os juros bancários e imobiliários ficam mais salgados, fazendo muita gente desistir de gastar, ou seja, de fazer a economia girar.

Em outras palavras, o principal objetivo de uma Selic mais alta é desaquecer a economia do país. Dessa forma, limita o avanço da chamada “inflação por demanda”, e isso tende a fazer os preços caírem, uma vez que a procura encolhe.

Vale destacar que a Selic é o principal instrumento do BC para conter a alta generalizada e contínua dos preços de bens e serviços, a chamada inflação. Aliás, a entidade financeira se baseia no sistema de metas de inflação, definido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Em 2022, a meta central de inflação é de 3,50%, podendo variar 1,5 p.p. para cima e para baixo. Isso quer dizer que a inflação pode chegar até 5,00% no final deste ano e, mesmo assim, não extrapolará o limite superior da meta. No entanto, os analistas já estimam uma taxa de quase 8% para 2022. Resta aguardar para saber até onde a inflação vai subir neste ano.

Leia Também: Desemprego na zona do euro cai para mínima histórica em março

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.