Desemprego na zona do euro cai para mínima histórica em março

Redução de 0,1 ponto percentual faz índice cair para menor nível em quase 24 anos da série histórica; preços ao produtor disparam na região

0

A zona do euro registrou uma leve queda de 0,1 ponto percentual na taxa de desemprego em março deste ano, na comparação com o mês anterior. Com isso, a taxa caiu de 6,9% para 6,8%, ficando abaixo dos 8,1% registrados em fevereiro do ano passado.

A saber, este é o menor patamar já registrado pela série histórica, que teve início em abril de 1998. A queda do desemprego veio em linha com as projeções de analistas. Aliás, os dados de fevereiro foram revisados para cima, pois a taxa tinha ficado em 6,8% na divulgação que ocorreu no mês passado.

Na verdade, isso também aconteceu em janeiro, cuja divulgação inicial indicou uma taxa de desemprego de 6,8%, mas o nível acabou revisado para cima (6,9%), assim como ocorreu em fevereiro. Em outras palavras, a zona do euro atingiu a mínima recorde de desemprego nos três primeiros meses deste ano, mas a taxa acabou revisada para cima em janeiro e fevereiro. Resta esperar para ver se isso também ocorrerá com os dados de março.

De acordo com estimativas do Eurostat, agência de estatísticas da Europa, 11,274 milhões de pessoas estavam desempregadas em março na zona do euro. Na comparação com fevereiro, houve uma redução de 76 mil pessoas sem emprego na zona, recuo bem menor que o registrado entre fevereiro e janeiro (-181 mil).

Em resumo, os gargalos nas cadeias globais de suprimentos continuaram afetando o desenvolvimento econômico da região. Contudo, o mercado de trabalho local continuou mostrando a recuperação que vem registrando nos últimos tempos.

Preços ao produtor disparam na zona do euro

Além disso, o Eurostat revelou que os preços ao produtor subiram mais que o esperado em março. A saber, os preços na porta de fábrica, sem impostos e frete, dispararam 5,3% no mês, na comparação com fevereiro. Já em relação a março de 2021, o salto chegou a 36,8%.

Ambos os números superaram as estimativas do mercado. Em suma, os analistas indicavam um avanço mensal de 5,0% e uma taxa anual acumulada de 36,3%.

Vale destacar que o que impulsionou os preços ao produtor tanto no mês quanto no ano foi a energia. Isso porque os preços da energia dispararam 11,1% em relação a fevereiro e 104,1% na comparação com março do ano passado. Caso estes dados não entrassem no cálculo, os preços ao produtor avançariam apenas 2,1% em um mês e 13,6% em um ano.

A zona do euro é formada atualmente por 19 países do continente europeu: Alemanha, Áustria, Bélgica, Chipre, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda e Portugal.

Leia Também: Impostômetro: brasileiros já pagaram R$ 1 trilhão em impostos em 2022

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.