Consumidor analfabeto tenta anular empréstimo consignado após usar dinheiro e tem pedido negado

0

O juiz de Direito Edilson Chaves de Freitas, do JEC de Portalegre/RN, negou provimento ao pedido de um consumidor analfabeto que tentava conseguir a nulidade de um contrato de empréstimo consignado, que ele alegava não ter realizado a contratação por não ter sido formalizado por instrumento público.  

No entanto, o autor da demanda recebeu e utilizou o dinheiro que foi depositado em sua conta. 

Caso 

Um consumidor analfabeto entrou com ação na justiça pedindo que fosse reconhecida a inexistência de dívida relativa a um contrato de empréstimo consignado e a reparação dos danos materiais e morais.

Isso porque alegadamente, o empréstimo era fraudulento ou foi feito de modo ilegal (sem escritura pública). 

Ao ser acionada, a instituição financeira contestou o argumento e evidenciou que a celebração do negócio jurídico ocorreu consoante a legislação em vigor. 

Logo após, o autor apresentou réplica à contestação, ocasião na qual “teria se limitado a apresentar argumentos genéricos”. 

Ao estudar o caso, o juiz declarou ser comprovado o fato de que o autor é analfabeto. Em relação aos contratos de empréstimos consignados, o magistrado, argumentou que para o negócio jurídico ser valido era preciso que a contratação fosse feita por meio de escritura pública ou através de procurador constituído. 

“Ocorre que atualmente, após refletir bastante sobre a matéria e em razão de atualizações legislativas (inclusive da Instrução Normativa n. 28 de 19/05/2008 que foi atualizada em 2019), estou convencido de que os fundamentos da interpretação anterior não subsistem mais.” 

Isto posto, o juiz decidiu que não há amparo legal para declarar a nulidade de contrato de empréstimo consignado, baseado unicamente no fato de não ter sido realizado através de escritura pública. 

“Como a alegação é de que não celebrou o contrato, deveria, assim que tomasse conhecimento do valor depositado na sua conta, fazer o depósito judicial da quantia e requerer o reconhecimento da nulidade do contrato. No entanto, não foi isso que fez.” 

O magistrado destacou também, que o cliente ignorou o dinheiro depositado em sua conta, não devolvendo à instituição financeira. “Pelo contrário, fez uso e depois vem a juízo alegar nulidade no negócio jurídico”. 

Diante do exposto, julgou os pedidos do autor improcedentes. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.