Brasil perde posições em ranking mundial sobre corrupção

O Brasil hoje ocupa a 96ª colocação no Índice de Percepção da Corrupção (IPC), duas posições abaixo da posição registrada no ano passado

0

Um levantamento feito pela Transparência Internacional e divulgado na madrugada desta terça-feira (25) mostrou que o Brasil caiu duas posições no ranking que, reunindo 180 países, trata sobre um tema sempre muito falado por aqui: a corrupção.

Estudo mostra que 60% dos servidores federais já testemunharam corrupção

De acordo com o levantamento, o Brasil hoje ocupa a 96ª colocação no Índice de Percepção da Corrupção (IPC), duas posições abaixo da posição registrada no ano passado.

Importante lembrar que quanto melhor a posição no ranking, menos o país é considerado corrupto. Ao todo, informou o levantamento, de 100 pontos possíveis, o Brasil somou apenas 38, o que representa a terceira pior pontuação da história do país e a mesma registrada em 2020.

Com os 38 pontos, o Brasil ficou abaixo da média global, que foi de 43 pontos, e também abaixo da média dos países da América Latina e do Caribe e das nações que integram o G20, que pontuaram 41 e 66 pontos, respectivamente.

Os países mais e menos corruptos

Segundo o relatório da Transparência Internacional, o ranking não teve apenas um campeão. Isso porque Dinamarca e a Finlândia, países da Europa, e a Nova Zelândia, da Oceania, somaram todos 88 pontos e figuram em primeiro lugar na classificação. Logo atrás dessas nações vieram Noruega, Singapura e Suécia, com três pontos a menos.

Na outra esteira, isto é, na parte de baixo da tabela, os países considerados mais corruptos foram a Venezuela, país vizinho do Brasil, na América do Sul, com 14 pontos, a Somália, da África, e a Síria, no Oriente, com 13. Essas nações só não foram piores do que o Sudão do Sul, um país africano que, com 11 pontos, é considerado o mais corrupto entre os 180 participantes do ranking.

Como funciona a pesquisa

O ranking foi criado em 1995 e, atualmente, é composto por 13 pesquisas e avaliações de especialistas, produzidas por instituições reconhecidas internacionalmente. De acordo com o Transparência Internacional, para se chegar no resultado, os especialistas analisam os resultados de perguntas destas pesquisas, que tratam da percepção de corrupção no setor público.

O porquê do desempenho ruim do Brasil

Segundo o relatório, o Brasil se encontra atualmente “estagnado em um patamar muito ruim em relação à percepção da corrupção no setor público”. Além disso, o levantamento afirma que as ações do governo federal, do Congresso Nacional e do Judiciário “levaram a retrocessos no arcabouço legal e institucional anticorrupção do país”.

O Transparência Internacional também ressalta que, nos últimos anos, tem se constatado um enfraquecimento do combate à corrupção. Isso, afirma o relatório, por conta de vários fatores, como as atitudes “antidemocráticas do presidente Jair Bolsonaro”, por exemplo.

Por fim, o relatório também aponta as investigações realizadas pela CPI da Covid-19 e também as relações criadas entre o governo federal e o Congresso por meio das emendas do relator, mais conhecido como “orçamento secreto”, como fatores que influenciaram a posição do país no ranking de corrupção.

Leia também: OCDE aceita negociar entrada do Brasil na entidade; entenda

5/5 - (1 vote)

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.