Auxílio Brasil impacta PIB dos municípios em até 34%, revela estudo

Entre os 100 municípios com os maiores impactos, 96 são do Nordeste; o destaque fica com o Maranhão, com 32 municípios no ranking

0

O Auxílio Brasil vem ajudando milhões de pessoas em todo o país nos últimos meses. A saber, o impacto que o benefício social exerce nos municípios brasileiros é tão grande que chega a representar um terço da economia local.

De acordo com a projeção do professor titular de economia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Ecio Costa, e da P³ Inteligência, o Auxílio Brasil equivale a 10% ou mais do Produto Interno Bruto (PIB) para 648 cidades brasileiras. Desse total, 597 ficam no Nordeste, refletindo a importância do benefício para a região.

Ao considerar o top 100 dos municípios cujas economias recebem o maior impacto do Auxílio Brasil, 96 cidades são do Nordeste. Em resumo, todos os estados nordestinos apareceram na lista, exceto Ceará e Sergipe. Veja abaixo quantos municípios cada um dos estados teve no ranking:

  • Maranhão: 32
  • Bahia: 28
  • Piauí: 17
  • Pernambuco: 8
  • Alagoas: 5
  • Paraíba: 4
  • Rio Grande do Norte: 2

Além dos 96 municípios nordestinos, o top 100 ainda teve a presença de três cidades do Pará e uma de Minas Gerais. Nesses municípios, o Auxílio Brasil impactou a economia local entre 15,58% e 18,13%.

Governo decreta estado de emergência para AUMENTO DO AUXÍLIO BRASIL; entenda

Auxílio Brasil impacta economia de município do Maranhão em 34%

Segundo o levantamento, o município cuja economia tem o maior impacto do Auxílio Brasil é Serrano do Maranhão (MA). Na cidade, o benefício influencia o PIB em 33,97%, ou seja, responde por um terço da economia gerada. Aliás, sete dos dez primeiros municípios da lista são maranhenses. Veja abaixo o top dez:

  • Serrano do Maranhão (MA): 33,97%;
  • Central do Maranhão (MA): 21,74%;
  • Lamarão (BA): 21,04%;
  • Alcântara (MA): 20,96%;
  • Cachoeira Grande (MA): 20,51%;
  • Primeira Cruz (MA): 20,30%;
  • Cumaru (PE): 20,16%;
  • Luís Domingues (MA): 19,85%;
  • Fartura do Piauí (PI): 19,67%;
  • São Vicente Ferrer (MA): 18,93%.

Por outro lado, entre os 100 municípios brasileiros com os menores impactos do Auxílio Brasil, 81 são da região Sul. A saber, nesses municípios, o impacto varia entre 0,01% e 0,1% do PIB local. Em suma, 54 cidades são do Rio Grande do Sul, 26 de Santa Catarina e uma do Paraná.

Já entre os 19 municípios restantes, 17 são do Sudeste, um do Centro-Oeste e um do Nordeste.

Veja impacto nas capitais e estados brasileiros

O estudo também revelou o impacto do Auxílio Brasil no PIB das capitais do país. Veja abaixo as dez com as maiores taxas:

  • Belém: 2%;
  • Fortaleza: 1,82%;
  • Macapá: 1,66%;
  • Rio Branco: 1,64%;
  • Teresina: 1,61%;
  • Salvador: 1,59%;
  • João Pessoa: 1,54%;
  • Maceió: 1,40%;
  • São Luís: 1,33%;
  • Aracaju: 1,14%;
  • Natal: 1,13%.

Em contrapartida, as menores taxas foram observadas e Brasília (0,19%), Curitiba (0,23%), Florianópolis (0,24%), Porto Alegre (0,33%), São Paulo (0,37%), Belo Horizonte (0,45%) e Rio de Janeiro (0,48%).

Além disso, o estudo ainda revelou as taxas entre os estados. Em resumo, o top 15 foi formado apenas por estados do Nordeste e do Norte, com destaque para Maranhão (4,69%), Piauí (4,39%), Paraíba (3,84%), Alagoas (3,51%) e Ceará (3,42%), com as maiores taxas.

Por outro lado, os menores impactos do Auxílio Brasil sobre o PIB das Unidades da Federação foram registrados no Distrito Federal (0,19%), Santa Catarina (0,24%), São Paulo (0,40%), Rio Grande do Sul (0,45%) e Paraná (0,47%).

Por fim, entre as regiões brasileiras, o impacto do Auxílio Brasil sobre os seus respectivos PIBs foi o seguinte:

  • Nordeste: 3,45%;
  • Norte: 2,16%;
  • Sudeste: 0,57%;
  • Centro-Oeste: 0,54%;
  • Sul: 0,40%.

Leia também: Norte tem diesel mais caro do país; veja preço dos combustíveis

Avalie o Artigo:
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.