Simples Nacional: Receita Federal prorroga o prazo para adesão ao RELP

Micro e pequenas empresas, inclusive o MEI, poderão aderir até sexta-feira (3)

0

A Receita Federal encaminhou nesta terça-feira (31), para publicação em edição extra do Diário Oficial da União, uma Instrução Normativa que prorroga o prazo para adesão ao Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no Âmbito do Simples Nacional (Relp) para a sexta-feira, dia 3 de junho de 2022.

Como veiculado mais cedo pelo Brasil 123, antes desta decisão, o prazo limite seria nesta terça (31).

De acordo com a área econômica do Governo Federal, o objetivo do Relp é proporcionar melhores condições para que as micro e pequenas empresas possam enfrentar os efeitos econômicos causados pela pandemia da Covid-19, permitindo que se mantenham regularizadas.

Relp

Podem ser parceladas pelo Relp todas as dívidas apuradas pelo Simples Nacional até o mês de fevereiro de 2022.

Ainda mais, o pagamento poderá ser realizado em até 180 vezes, com redução de até 90% das multas e juros, dependendo do volume da perda de receita da empresa durante os meses de março a dezembro de 2020 (calculado em relação a 2019). Parcelamentos rescindidos ou em andamento também poderão ser incluídos.

FGTS: Trabalhadores de 14 municípios podem solicitar o saque; veja quais

Como aderir?

Para aderir ao programa o representante da empresa deve acessar o Portal e-CAC, clicar em “Pagamentos e Parcelamentos”, depois em “Parcelar dívidas do SN pela LC 193/2022 (RELP)” ou “Parcelar dívidas do MEI pela LC 193/2022 (RELP)”, conforme o caso.

Além disso, as adesões também estão disponíveis pelo Portal do Simples Nacional.

Durante a adesão, conforme orientações do governo, a empresa deverá indicar as dívidas que serão incluídas no programa.

Uma observação importante: a aprovação do pedido de adesão fica condicionada ao pagamento da primeira prestação e quem não pagar integralmente os valores de entrada até o 8º mês de ingresso no Relp (previstos no art. 4º da IN), terá a adesão cancelada

Números de empresas

Na semana passada, a Receita chegou a informar que, das cerca de 400 mil empresas que o governo esperava que entrassem no programa, cerca de 100 mil haviam aderido (25% do total). A saber, as dívidas são estimadas em R$ 8 bilhões.

Já a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), órgão que cobra a dívida ativa da União, espera a adesão de outras 256 mil empresas endividadas (parcelando até R$ 16,2 bilhões).

Com informações da Receita Federal

Leia também: Auxílio Brasil de R$ 400: NOVA rodada está confirmada! Veja o calendário

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.