Ministro do STF nega pedido para obrigar Alcolumbre a marcar sabatina de André Mendonça

André Mendonça foi indicado por Bolsonaro para ocupar o posto de ministro do STF, em julho deste ano, mas, até hoje, a indicação continua parada no Senado

0

Ricardo Lewandowski, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), negou na segunda-feira (11) um pedido feito com o intuito de obrigar que o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a marcar uma data para que a sabatina do ex-ministro André Mendonça aconteça.

Assim como publicou o Brasil123, André Mendonça foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para ocupar o posto de ministro do STF, em julho deste ano. No entanto, passados três meses, a indicação continua parada no Senado.

Essa paralisação acontece porque, de acordo com a Constituição, para assumirem o posto, ministros do STF precisam passar por uma sabatina e depois por uma votação no plenário do Senado, que confirma ou não o nome em questão.

Para que o rito aconteça, é necessário que o presidente da CCJ, e depois do Senado, inclua o tema na pauta, nesta sequência. Sendo assim, por conta da demora de Davi Alcolumbre em colocar o tópico na agenda da CCJ, os senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Podemos-GO) foram ao STF.

Na ação, os parlamentares afirmaram que “não existe motivo republicano” para a recusa do presidente da CCJ em marcar a sabatina. Neste sentido, os dois afirmam ainda que esta demora representa “flagrante e indevida interferência no sadio equilíbrio entre os Poderes, na medida em que inviabiliza a concreta produção de efeitos que deve emanar do livre exercício de atribuição típica do Presidente da República”.

No entanto, em sua decisão, Ricardo Lewandowski avaliou que o assunto é uma questão interna do Senado, ou seja, o STF não pode interferir nesta questão. “A jurisprudência desta Suprema Corte, em observância ao princípio constitucional da separação dos poderes, é firme no sentido de que as decisões do Congresso Nacional levadas a efeito com fundamento em normas regimentais possuem natureza interna corporis, sendo, portanto, infensas à revisão judicial”, diz Lewandowski.

Acusado de estar demorando para pautar a indicação de André Mendonça ao STF, Davi Alcolumbre disse que não poderá se manifestar sobre o caso agora.
André Mendonça foi indicado por Bolsonaro para ocupar o posto de ministro do STF, em julho deste ano, mas, até hoje, a indicação continua parada no Senado. (Foto: reprodução)

STF com um membro a menos

Recentemente, o presidente do STF, Luiz Fux, disse que a demora em pautar o nome de André Mendonça tem causado um incomodo até mesmo para os membros do Supremo. Isso porque, de acordo com ele, com um membro a menos, abre-se a possibilidade de empate entre os dez ministros empossados.

Leia também: CPI desiste de novo depoimento de Queiroga e quer ouvir coordenador de estudo contra uso do ‘kit Covid’

Veja Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.