Ministério da Defesa chama Omar Aziz de ‘leviano’ após fala do senador na CPI da Covid-19; entenda

Aziz afirmou que fazia "muitos anos" que o Brasil não via "membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo"

0

Uma nota divulgada nesta quarta-feira (07) pelo Ministério da Defesa acusa o presidente da CPI da Covid-19, o senador  Omar Aziz (PSD-AM), de ter sido “leviano” e “irresponsável” por ele ter dito que existem militares envolvidos em “falcatrua” no governo. O documento foi assinado tanto pelo ministro Braga Netto quanto pelos comandantes das Forças Armadas.

O posicionamento do Ministério da Defesa acontece após Aziz ter afirmado, durante o depoimento de Roberto Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, que acabou preso ao final da sessão, nesta quarta (07), que fazia “muitos anos” que o Brasil não via “membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo”.

“Você foi sargento da Aeronáutica? Conhece o coronel Guerra? Olha, eu vou dizer uma coisa, as Forças Armadas… os bons das Forças Armadas devem estar muito envergonhados com algumas pessoas que hoje estão na mídia, porque fazia muito tempo, fazia muitos anos que o Brasil não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo, fazia muitos anos”, declarou Aziz na CPI.

bolsonaro prevaricação aziz
Aziz afirmou que fazia “muitos anos” que o Brasil não via “membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo”. (Foto: reprodução)

Em resposta, a pasta afirmou que essa narrativa, afastada dos fatos, atinge as “Forças Armadas de forma vil e leviana, tratando-se de uma acusação grave, infundada e, sobretudo, irresponsável”. Ainda conforme o Ministério da Defesa, “a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira são instituições pertencentes ao povo brasileiro e que gozam de elevada credibilidade junto à nossa sociedade conquistada ao longo dos séculos”.

Logo após a divulgação da nota, Omar Aziz foi às redes sociais dizer que fala foi “pontual”. Além disso, ele afirmou que as Forças Armadas não devem intimidá-lo.  “Minha fala hoje foi pontual, não foi generalizada. E vou reafirmar o que eu disse lá na CPI. Pode fazer 50 notas contra mim, só não me intimida. Porque, quando estão me intimidando, estão intimidando esta Casa”, disse ele em alusão ao Senado Federal.

Bolsonaro divulgou a nota 

O primeiro a divulgar a nota do Ministério da Defesa foi o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Depois disso, a pasta divulgou o documento, que foi assinado por Walter Braga Netto (ministro da Defesa); almirante Almir Garnier Santos (comandante da Marinha); general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira (comandante do Exército); e brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Junior (comandante da Força Aérea).

De acordo com o vice-presidente da CPI da Covid-19, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), “não é de bom tom esse caminho que alguns querem levar” e que não queria “acreditar em nenhuma vã tentativa de tentar politizar as Forças Armadas”.

“Não quero acreditar que esteja em curso qualquer ameaça a um membro deste poder, presidente de uma CPI. Reitero minha confiança nas Forças Armadas, minha, como líder da oposição, de que as Forças Armadas são leais à democracia, à Constituição e assim devem se comportar. Se for diferente, é um caminho muito ruim para a democracia”, disse Randolfe Rodrigues.

Confira a nota do Ministério da Defesa na íntegra

MINISTÉRIO DA DEFESA

NOTA OFICIAL

Brasília, DF

Em 7 de julho de 2021

O Ministro de Estado da Defesa e os Comandantes da Marinha e do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira repudiam veemente as declarações do Presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, Senador Omar Aziz, no dia 07 de junho de 2021, desrespeitando as Forças Armadas e generalizando esquemas de corrupção,

Essa narrativa, afastada dos fatos, atinge as Forças Armadas de forma vil e leviana, tratando-se de uma acusação grave, infundada e, sobretudo, irresponsável.

A Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira são instituições pertencentes ao povo brasileiro e que gozam de elevada credibilidade junto à nossa sociedade conquistada ao longo dos séculos.

Por fim, as Forças Armadas do Brasil, ciosas de se constituírem fator essencial da estabilidade do País, pautam-se pela fiel observância da Lei e, acima de tudo, pelo equilíbrio, ponderação e comprometidas, desde o início da pandemia Covid-19, em preservar e salvar vidas.

As Forças Armadas não aceitarão qualquer ataque leviano às Instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro.

Walter Souza Braga Netto

Ministro de Estado da Defesa

Alte Esq Almir Garnier Santos

Comandante da Marinha

Gen Ex Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira

Comandante do Exército

Ten Brig Ar Carlos de Almeida Baptista Junior

Comandante da Aeronáutica.

Leia também: CPI: Ricardo Barros deve depôr no próximo dia 20

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.