Lula quer dar protagonismo a Alckmin mirando apoio de eleitores do PSDB

A ideia é que Alckmin tenha protagonismo na chapa e indique três nomes para a equipe de plano de governo e mais dois para a coordenação política

0

Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ex-presidente da República, quer dar mais espaço ao ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) na cúpula de sua campanha ao Planalto. De acordo com o jornal “Folha de S.Paulo”, a ideia é que o ex-gestor paulista tenha protagonismo na chapa e indique três nomes para a equipe de plano de governo e mais dois para a coordenação política.

Segundo o jornal, a direção do PT espera que Alckmin consiga atrair nomes históricos do PSDB, que permanecem filiados ao partido rival. O ex-governador de São Paulo foi um dos fundadores do partido tucano e saiu da legenda no ano passado, após mais de 33 anos.

Conforme a “Folha”, a cúpula petista considera ser fundamental uma aliança com o PSDB para derrotar o atual presidente Jair Bolsonaro (PL), mesmo que o partido tenha uma candidatura própria ou se alie ao MDB, apoiando oficialmente a senadora Simone Tebet (MS).

Até o momento, mesmo com o anúncio oficial da chapa, ainda não foram apresentadas propostas claras para um futuro governo que conciliem as diferenças entre aliados de Lula e Alckmin. Nesse sentido, a ideia é buscar novos aliados que integram ou integravam o PSDB para mostrar que o ex-governador não será uma mero expectador na eventual presidência de Lula.

Segundo o advogado e coordenador do grupo Prerrogativas, Marco Aurélio Carvalho, que integra o círculo mais próximo de Lula, também à “Folha”, o núcleo da campanha terá dois grupos:

  • Um para a coordenação executiva enxuta;
  • E outro para a coordenação-geral, com os líderes dos partidos aliados.

Segundo ele, que ressalta que “a expectativa é que Alckmin tenha protagonismo na campanha”, não sendo um parceiro “só de fachada”, a ideia é ter apoio de integrantes do PSDB tenham peso na opinião pública, acesso aos meios de comunicação e ao mercado.

Um desses nomes é Aloysio Nunes, que assim como publicou o Brasil123, já avisou que irá apoiar Lula. De acordo com o ex-chanceler, a escolha não é uma rejeição à provável aposta de seu partido, o ex-governador João Doria, mas sim uma escolha “entre a civilização e a barbárie”.

Leia também: FHC sai em defesa de Doria em meio à crise no PSDB

5/5 - (1 vote)

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.