Idoso é detido suspeito de estuprar duas crianças em Minas

A PM relatou que o suspeito já havia ficado seis anos preso pelo estupro de uma criança. Ele, que nega a violência sexual, foi preso em flagrante

0

A Polícia Militar (PM) prendeu, na última quarta-feira (07), um idoso, de 73 anos, suspeito de ter estuprado duas meninas, de 4 e 5 anos, em Brasilândia de Minas, em Minas Gerais. De acordo com as informações da corporação divulgadas nesta sexta (09), o crime aconteceu enquanto as crianças brincavam na calçada de casa, no mesmo dia da prisão.

Brasil ultrapassa 6 mil denúncias de violência sexual contra crianças em 2021

Em nota, a PM relatou que o suspeito já havia ficado seis anos preso pelo estupro de uma criança de 11 anos. A denúncia de agora foi feita pela mãe de uma das vítimas, de 21 anos, que ligou para a PM e relatou que a filha passou a tarde brincando com a prima na calçada de casa.

“Depois que as crianças voltaram para casa, a jovem foi dar banho na filha, momento em que a menina reclamou de ardência nas partes íntimas”, relatou a mãe aos militares. Depois disso, a criança foi questionada sobre o que teria acontecido e ela contou que o vizinho teria passado a mão no órgão sexual dela.

Por conta da fala da criança, a jovem foi imediatamente até a casa da sobrinha, que confirmou a história e relatou que o idoso as chamou para entrar na casa dele e, lá dentro, passou a mão nas partes íntimas das duas. “As mães levaram as crianças para um hospital, onde foi realizado exame médico e constado um pequeno ferimento no órgão sexual de uma delas”, informou a PM.

Questionado, o idoso negou que tenha abusado das garotas e ainda disse que as crianças estavam brincando no quintal dele e ele reclamou com elas. Por conta da ocorrência, o Conselho Tutelar foi acionado para acompanhar o caso e prestar assistências às famílias. Já o suspeito foi detido em flagrante e levado para a delegacia de plantão de Paracatu, também em Minas Gerais.

Leia também: Quase 25% das mulheres sofreram algum tipo de violência na pandemia

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.