Funchal fala sobre aumento do IOF para compensar valor do Bolsa Família

Confira as últimas informações sobre o aumento temporário do IOF

0

O secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal, afirmou nesta quarta-feira (22) que “nunca entrou no radar do governo a utilização de aumento do IOF para fazer compensação para a expansão do Bolsa Família em 2022”.

Para esclarecer, recentemente o presidente Jair Bolsonaro editou decreto que determina alterações temporárias nas alíquotas do Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF), relacionados às operações de crédito para pessoas jurídicas e físicas.

Funchal fala sobre aumento do IOF para compensar valor do Bolsa Família
Funchal fala sobre aumento do IOF para compensar valor do Bolsa Família – Foto: Reprodução/Google

Aumento do IOF

As novas alíquotas serão válidas no período entre 20 de setembro de 2021 e 31 de dezembro de 2021.

Apesar da declaração do secretário do Tesouro, a estratégia foi adotada, para viabilizar o aumento do programa Bolsa Família, que passará a se chamar Auxílio Brasil em sua reformulação.

Reforma do imposto de renda

Em coletiva de imprensa, Funchal reiterou que a estratégia para essa compensação em 2022 está prevista na reforma do Imposto de Renda, já aprovada na Câmara dos Deputados, que indica que a tributação de dividendos como fonte de financiamento para um programa de transferência de renda mais robusto.

Ele evitou responder qual seria o plano B do governo para o caso de não aprovação da reforma.

Isso porque, como o programa social acarreta uma despesa de caráter continuado, para torná-lo maior o governo precisa indicar uma fonte de recursos para bancar o seu financiamento, além de encontrar espaço, sob a regra do teto, para acomodá-lo.

É por esse motivo que o governo busca aprovar tanto a reforma do Imposto de Renda quanto a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos precatórios, que abrirá caminho para mais despesas públicas em 2022.

Por fim, Funchal afirmou ainda que, com benefício médio de R$ 300 e alcance de 17 milhões de famílias, o novo Bolsa Família precisará de um acréscimo em torno de R$ 26 bilhões ao ano.

Leia também: João Roma se posiciona sobre fraudes no auxílio emergencial; acompanhe

Veja Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.