EUA: Polícia do Capitólio derruba as últimas barreiras de segurança

0

Mais de seis meses após a invasão do Capitólio, em 6 de janeiro, as autoridades derrubarão o restante da barreira de segurança. A cerca de malha preta de 2,5 metros de altura cercou vários quarteirões do Capitólio, interferindo no tráfego de pedestres e veículos. A decisão se baseou na avaliação da Polícia do Capitólio dos EUA sobre a ameaça atual.

De acordo com um memorando enviado aos funcionários e legisladores nessa terça-feira (06), a remoção começaria nessa quinta (08) e terminaria em três dias. Porém, houve uma mudança de planos e a retirada terá início na manhã de sábado (10). A cerca externa foi removida em março.

Entretanto, isso não significa que a Polícia do Capitólio está retirando toda a segurança. O memorando observou que o Arquiteto do Capitólio tem a capacidade de colocar a cerca de volta se necessário, e alertou que o observou se o uso dos racks como barreiras seria temporário ou permanente.

Mesmo sem a cerca, o prédio ainda está quase todo fechado ao público. As excursões foram interrompidas durante a pandemia e o memorando observou que as atuais restrições de acesso ao Capitólio “permanecerão em vigor”.

As autoridades federais continuam monitorando quaisquer novas ameaças. O edifício do Capitólio dos EUA permanecerá fechado para a maioria dos visitantes por tempo indeterminado.

Tomada do Capitólio

As barreiras de segurança do Capitólio são um dos últimos sinais remanescentes do cerco por partidários do ex-presidente Donald Trump, que tentaram impedir a vitória eleitoral do presidente Joe Biden.

A Guarda Nacional estabeleceu presença na capital do país após o motim e instalou barreiras e postos de controle antes da posse do presidente Biden.

Segundo dados da Polícia do Capitólio, mais de 535 pessoas participaram do ataque, quando os apoiadores de Trump quebraram janelas, lutaram contra a polícia e enviaram legisladores e o então vice-presidente Mike Pence em busca de segurança.

Cinco pessoas morreram durante a violência e no dia seguinte, incluindo um policial do Capitólio. Mais tarde, dois policiais que participaram da defesa do Capitólio cometeram suicídio. Mais de cem policiais ficaram feridos.

Os desordeiros estavam tentando impedir o Congresso de certificar a vitória eleitoral do presidente Joe Biden, que Trump falsamente disse ter sido o resultado de uma fraude generalizada. Vários tribunais, funcionários eleitorais estaduais e membros da própria administração de Trump rejeitaram suas alegações como infundadas.

Derrota de Trump e as barreiras de segurança

Democratas expressaram preocupação com o fato de o Congresso não ter acertado as contas da Polícia do Capitólio, que intensificou as operações e trabalhou horas extras desde o ataque. A Câmara aprovou por pouco UR$ 1,9 bilhão para a segurança do Capitólio em maio, sem apoio republicano, mas a legislação estagnou no Senado, que está igualmente dividido entre as linhas partidárias.

Por sua vez, Trump tem insistido em será reintegrado na Casa Branca. Em reposta, o Departamento de Justiça estadunidense disse nesta semana que essas falas podem alimentar mais violência política de seus partidários. Não há mecanismo legal ou constitucional para que a restituição de Trump aconteça, e as alegações de uma fraude eleitoral em 2020 eram comprovadamente mentirosas.

De qualquer forma, esta não é a primeira vez que a mentira pós-presidência de Trump sobre a eleição de 2020 se tornou um problema; afinal, juízes e promotores estão constantemente preocupados que as palavras de Trump incitem a violência política.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.