Arthur do Val tem mandato cassado e fica inelegível por oito anos

Nesta terça, eram 73 parlamentares. Absolutamente todos os deputados votaram pela condenação de Arthur do Val

0

Deputados votaram nesta terça-feira (17) pela cassação do mandato do ex-deputado estadual e integrante do Movimento Brasil Livre (MBL) Arthur do Val (União Brasil). Com a decisão, o parlamentar, que é conhecido como ‘Mamãe Falei’, fica inelegível por oito anos.

Nesta terça, eram 73 parlamentares. Absolutamente todos votaram pela condenação de Arthur do Val, que foi denunciado em abril por conta do vazamento de áudios com comentários sexistas sobre as mulheres ucranianas.

Antes da cassação, Arthur Do Val renunciou ao mandato na tentaria de evitar a continuidade do processo e a consequente inelegibilidade. Na ocasião, ele disse que iria “cair atirando” e que iria continuar ativo na política.

No entanto, os deputados continuaram com o processo em desfavor do parlamentar, que foi apenas o segundo cassado pelo Conselho de Ética. O outro foi Hanna Garib. O deputado perdeu seu mandato em 1999 após ter sido acusado de envolvimento em esquemas de corrupção na administração da cidade de São Paulo.

Em nota, a assessoria de Arthur do Val afirmou que “a decisão do plenário da Alesp deixa claro que foi promovida uma perseguição” contra o parlamentar. Segundo a assessoria do deputado, o motivo principal da ação não era o seu mandato, mas sim retirá-lo da disputa eleitoral deste ano.

“A desproporção da sua punição fica evidente já que a mesma Casa foi branda em relação a casos muito mais graves, como o do parlamentar Fernando Cury, que apalpou os seios de uma deputada e foi suspenso por apenas seis meses”, disse a nota.

Relembre o caso do deputado

Arthur do Val, deputado estadual de São Paulo, teve seus áudios vazados no começo de março, quando além de dizer que as mulheres da Ucrânia “são fáceis porque são pobres”, também afirmou que na fila de refugiadas havia mais mulheres bonitas do que em baladas de São Paulo. Ao chegar no Brasil, ele, que passou 13 dias na Europa sob a justificativa de estar em uma ação humanitária, disse que suas declarações foram “retiradas de contexto”.

Leia também: MPF vai investigar Arthur do Val por fabricação de coquetel molotov na Ucrânia

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.