Daisy Soares, proprietária da marca ‘As Patroas’, lamenta ataques: “Estou sendo massacrada”

A baiana de 39 anos impediu que Maiara e Maraisa usassem a alcunha - que já lhe pertencia

0

Daisy Soares, a proprietária da marca ‘As Patroas’, desabafou em entrevista ao colunista Lucas Pasin, do site Uol Splash, nesta terça-feira (14), sobre os ataques que recebe dos fãs de Marília Mendonça, Maiara e Maraisa. As três, antes da morte de Marília, sairiam em turnê com o Festival das Patroas e pretendiam patentear a alcunha – só que Daisy já é dona da marca!

Antonia Fontenelle pede que Juliette pare de se vitimizar: “Te manca, vai estudar”

A baiana, que criou a banda de forró ‘A Patroa’ em 2013 ao lado da guitarrista Paulinha, diz que nunca quis comprar briga com as sertanejas. Marília, antes de falecer em novembro de 2021, parecia, inclusive, disposta à resolver toda a situação: “Foi uma conversa muito agradável. Marília foi maravilhosa e estava disposta a conversar, mostrou empatia. Contamos a ela toda a história da banda, falei que não queria briga, e ela se importou. Marília quis resolver, mas faleceu. Depois disso, não resolvemos com mais nenhuma conversa”.

Sertanejas queriam “apadrinhá-la”

Em uma das conversas, antes da morte da Rainha da Sofrência, as sertanejas queriam apadrinhá-la, mas a cantora não estava disposta à vender sua marca: “Nessa conversa surgiu a ideia de que eu passasse a marca ‘As Patroas’ para elas e fosse construído um ‘apadrinhamento’ artístico, mas eu não estava colocando a minha marca à venda. É uma construção de anos. Eu ia ficar sem nada? É uma conversa delicada e muitas dúvidas surgiram na minha cabeça. Não cheguei a comentar nem com a minha família sobre. Depois tentamos outras conversas e não tivemos nada oficial sobre”.

Wander Oliveira, agente da empresa Workshow, foi quem demonstrou a tentativa de registrar ‘Patroas’ e, Daisy logo foi avisada pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI): “Eu o avisei que, mesmo sendo o nome de uma festa, ele estava tentando usar o mesmo código do meu registro. Não adiantou. Ingênua, achei que ele poderia mudar o código e seguir só com a festa, mas o projeto ‘As Patroas’, com elas, foi só crescendo. Tive medo e fiquei sem saber ao certo como agir. Somos pequenos aqui, e eles são gigantes”.

Daisy pede o fim dos ataques; Maiara e Maraisa se pronunciam

Em bate-papo com o colunista Lucas Pasin, Daisy mostrou que sofreu diversos tipos de ataques de supostos fãs de Maiara e Maraisa. Ela garantiu que nunca quis briga com ninguém: “Não sigam com ameaças, violência, frases pesadas. Não é legal. Estou sendo penalizada com toda essa história, e massacrada nas redes. Não tenho nenhum problema com as meninas. O que eu tenho é o registro da minha marca, que é meu por direito, e trabalho com ela há 9 anos. Estou apenas defendendo o meu produto”.

“Trabalhamos bastante o ano todo. Cada ano que passa fazemos mais shows. São batalhas e conquistas, né? Temos 10 CDs de forró, músicas autorais registradas. Já nos apresentamos em todas as emissoras locais. Aqui na Bahia sou conhecida como A Patroa e só quero seguir o meu trabalho”, finalizou ela.

Em nota, Maiara e Maraisa frisam: “Em relação ao uso da marca, a WorkShow é titular de “Festa das Patroas” desde 13/10/2015, projeto este que já teve participação de Marília Mendonça e Maiara & Maraisa. Ressaltamos que a empresa e a dupla sempre agiram com responsabilidade e prezam pela legalidade e o respeito às normas e marcas devidamente registradas. Toda e qualquer questão jurídica será devidamente tratada no processo em questão, tão logo as partes sejam citadas e intimadas a se manifestar”.

Veja também: Zé Felipe após ser atingido por tênis em show: “Machucou muito”

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.