Auxílio Brasil deverá injetar R$ 84 bilhões na economia, estima CNC

Entidade revela que 70,4% desse montante deverá seguir para consumo imediato, enquanto 25,7% será destinado ao pagamento de dívidas

0

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revelou que o Auxílio Brasil deverá injetar R$ 84 bilhões na economia brasileira em 2022. Os dados fazem parte de um estudo realizado pela entidade e divulgado nesta semana.

Em resumo, 70,43% do montante total deverá seguir para o consumo imediato, o que corresponde a R$ 59,16 bilhões. Enquanto isso, 25,74% serão destinados ao pagamento de dívidas (R$ 21,62 bilhões). Já os 3,83% restantes, ou R$ 3,21 bilhões, deverão ser poupados pelos brasileiros para o consumo futuro.

A saber. o programa Auxílio Brasil substituiu o Bolsa Família, extinto no ano passado, e segue em vigor no país desde novembro de 2021. O benefício consiste na transferência de renda para as famílias do país em situação de pobreza e extrema pobreza.

De acordo com o economista da CNC, Fabio Bentes, o estudo considerou o valor mínimo de R$ 400. Assim, chegou à injeção de R$ 84 bilhões na economia brasileira.

“Como a gente não sabe quanto cada brasileiro vai receber, porque depende de outras variáveis, a gente fez a conta por baixo. Como o benefício mínimo é de R$ 400 pago a 17,5 milhões de famílias, durante 12 meses, isso perfaz R$ 84 bilhões”, explicou Bentes em entrevista à ‘Agência Brasil’.

Vale destacar que o valor injetado na economia do país pode até superar o projetado pela CNC. Na verdade, como o benefício varia, as estimativas apontam que até R$ 89,9 bilhões podem seguir para a economia brasileira no decorrer deste ano.

Veja detalhes do estudo da CNC

A CNC revelou que cerca de 47% do montante utilizado no consumo imediato seguirá para o comércio e o setor de serviços. Em suma, Bentes estima que R$ 28 bilhões sigam para o comércio brasileiro neste ano. Isso representará um crescimento de 1% a 1,5% no faturamento anula do varejo do país.

Contudo, nem esse impulso salvará as vendas em 2022. “Mas pode ajudar o comércio a ter um ano menos amargo no momento em que a expectativa para a economia, este ano, tem sido corrigida para baixo”, disse.

“A expectativa é que a economia cresça 0,3% este ano. Então, ajuda no sentido de disponibilizar um pouco mais de recursos para consumo, o que acaba aliviando um pouco mais o ano difícil que o comércio vai ter pela frente”, acrescentou Bentes.

Por fim, ele afirmou que o grau de endividamento dos brasileiros segue bastante elevado. “Mas a gente sabe que, por conta da inflação, dos juros mais altos, o comprometimento da renda seguramente deve aumentar um pouco, pelo menos nessa primeira metade de 2022”, disse.

Leia Mais: Faturamento do turismo brasileiro alcança R$ 14,7 bilhões em novembro

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.