Juros nos EUA sobem de novo; veja como isso afeta o seu dia a dia

BC dos EUA promove mais um reajuste de 0,75 ponto percentual, o que tende a fortalecer o dólar e impactar nos preços de produtos importados

0

O Federal Reserve (Fed), banco central dos Estados Unidos, reportou nesta quarta-feira (27) a sua decisão sobre os novos rumos da política monetária adotada no país. A saber, a entidade financeira elevou a meta da taxa de juros de referência do país em 0,75 ponto percentual (p.p.), para o intervalo de 2,25% e 2,50%.

Em resumo, o Fed também havia elevado a taxa de juros em 0,75 p.p. em meados do mês passado, registrando à época o maior avanço desde 1994. Agora, o Fed projeta na reunião anterior que a taxa de juros deverá encerrar o ano em 3,5%, e não mais entre 1,75% e 2% como esperado meses atrás.

Por falar nisso, a inflação anual nos EUA chegou a 9,1% em junho, maior patamar dos últimos 41 anos. O avanço superou as projeções do mercado e pressionou ainda mais o Fed a elevar os juros no país para segurar a taxa inflacionária.

Em suma, uma taxa mais elevada de juros tende a reduzir o poder de compra do consumidor, desaquecendo a economia. Isso acontece porque a demanda enfraquecida impede que os preços de bens e serviços subam expressivamente no país, uma vez que a procura pelos itens está menor.

AUXÍLIO BRASIL de R$ 600 em 2023 é possível?

Produtos importados devem ficar mais caros no Brasil

Embora a decisão se refira aos EUA, os juros mais altos na maior economia mundial deverão afetar todo o planeta. No caso do Brasil, o que mais vai impactar na vida da população é o aumento dos preços dos produtos importados.

Na verdade, quanto mais altos os juros nos EUA, mais rentáveis ficam os ativos relacionados ao governo norte-americano. Dessa forma, os investimentos estrangeiros deverão crescer no país, o que fortalece o dólar.

Como a cotação internacional de bens e serviços é feita em dólar, tudo que vier de fora deverá ficar mais caro. Aliás, diversos produtos consumidos diariamente vêm do exterior, como o trigo, usado em pães, bolos, massas e biscoitos. A saber, entre 50% e 60% do trigo consumido no Brasil vem do exterior.

Também não há como esquecer os combustíveis. Em síntese, a política de preços da Petrobras leva em consideração a cotação internacional do barril de petróleo e as oscilações do dólar. Assim, quanto mais cara estiver a moeda americana, maiores os riscos de alta dos combustíveis no país.

Leia também: Reajustes salariais ficam 70,3% abaixo da inflação em julho

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.