Inflação medida pelo IPC-S acumula alta de 8,73% nos últimos 12 meses

Indicador acelerou nesta atualização, puxado pelo comportamento da tarifa de eletricidade residencial, que subiu de 4,88% para 6,28%

0

Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de 22 de julho deste ano variou 0,90%, ficando 0,02 ponto percentual acima da última taxa (0,88%). Com o acréscimo deste resultado, a inflação medida pelo IPC-S nos últimos 12 meses passou de 8,71% para 8,73%, e segue bastante expressiva.

A saber, a Fundação Getúlio Vargas (FGV), responsável pelo levantamento, divulgou as informações nesta sexta-feira (23). De acordo com os dados disponibilizados, três das oito classes de despesa pesquisadas aceleraram na quadrissemana e puxaram o IPC-S pra cima.

Em resumo, o principal avanço veio do grupo habitação (1,45% para 1,77%), puxado pelo item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa subiu de 4,88% para 6,28%. Também aceleram nesta atualização os grupos alimentação (0,54% para 0,70%) e saúde e cuidados pessoais (-0,16% para -0,06%). Os destaques para estes grupos foram hortaliças e legumes (-6,84% para -3,94%) e artigos de higiene e cuidado pessoal (0,52% para 0,96%).

Em contrapartida, houve desaceleração na inflação de cinco grupos: educação, leitura e recreação (3,28% para 2,37%), despesas diversas (0,14% para 0,05%), vestuário (0,24% para 0,20%), transportes (0,76% para 0,74%), e comunicação (0,02% para 0,00%).

A propósito, os grupos foram puxados pra baixo, respectivamente, pelos seguintes itens: passagem aérea (31,52% para 22,46%), tarifa postal (1,35% para 0,75%), cintos e bolsas (0,49% para -0,28%), etanol (0,10% para -1,39%) e serviços de streaming (0,51% para 0,13%).

Entenda a metodologia do indicador

Em resumo, o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) apresenta o cálculo da variação de preços de produtos e serviços em sete capitais brasileiras. São elas: Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Dessa forma, há um acompanhamento semanal da evolução de preços de maneira quadrissemanal, cujas datas de fechamento são 7, 15, 22 e 30 de cada mês. Aliás, para o cálculo da inflação, o IPC-S considera as últimas quatro semanas antes da divulgação dos dados, por isso a atualização é quadrissemanal.

Por exemplo, o resultado divulgado hoje teve fechamento na véspera. Dessa maneira, para alcançá-lo, o cálculo considerou a última semana de junho e as três primeiras de julho. Assim, os próximos dados divulgados em 2 de agosto irão considerar todas as semanas de julho. E assim por diante.     

Em síntese, o indicador reflete o custo de vida das famílias que possuem renda mensal de 1 a 33 salários mínimos. Além disso, os dados pesquisados no IPC-S ajudam a definir reajustes salariais e contratos de alugueis.

Leia Mais: Inflação em Curitiba é a maior entre os locais pesquisados pelo IBGE em julho

Veja Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.