Inflação em alta: veja os itens que mais subiram em 12 meses

Passagens aéreas, óleo diesel e transporte por aplicativo são os destaques do top dez; café moído e leite longa vida têm altas superiores a 50%

0

A inflação no Brasil deu uma trégua e teve forte desaceleração em julho. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) variou 0,13% neste mês. A saber, o IPCA-15 é considerado a prévia da inflação oficial.

Entre os itens que mais subiram, as passagens aéreas continuaram se destacando em julho. O item acumulou uma alta de 77,98% no mês, mas perdeu a liderança do ranking nacional. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o preço médio das passagens saltou 48,5% em maio deste ano, na comparação com o mesmo mês de 2021.

Outro destaque do top dez foi o óleo diesel, que acumula uma disparada de 61,89% nos últimos 12 meses. Esse avanço aconteceu, em grande parte, devido aos reajustes promovidos pela Petrobras nos últimos meses. Em resumo, o combustível é o mais usado no país e vem pesando cada vez mais nos bolsos dos brasileiros.

Também vale destacar a variação dos preços do transporte por aplicativo, que acumula avanço de 61,57% em 12 meses até julho. Essa disparada reflete o aumento dos preços dos combustíveis no país, visto que isso representa aumento de custos para os motoristas.

Auxílio Caminhoneiro vai ser dobrado para quem tem mais de um veículo?

Veja os itens que ocuparam o top 10 no ranking nacional

Segundo os dados do IBGE, os dez itens que mais subiram em 12 meses tiveram altas superiores a 60%. Isso quer dizer que muita coisa no país teve uma alta mais de cinco vezes superior à inflação nacional, que já vem corroendo significativamente a renda dos brasileiros nos últimos tempos.

A propósito, o top dez foi formado pelos seguintes itens:

  • Pepino: 92,55%;
  • Mamão: 85,37%;
  • Passagem aérea: 77,98%;
  • Batata-inglesa: 70,92%;
  • Cenoura: 68,85%;
  • Morango: 65,56%;
  • Melão: 65,14%;
  • Cebola: 62,93%;
  • Óleo diesel: 61,89%;
  • Transporte por aplicativo: 61,57%.

Por fim, outros dois itens ocuparam a 11ª e a 12ª posições no ranking nacional. A saber, eles foram o café moído e o leite longa vida, respectivamente. Enquanto os preços do primeiro saltaram 60,29% nos últimos 12 meses, os do segundo subiram 51,69%. Ambos os itens são muito presentes no dia a dia de milhões de brasileiros e estão afetando cada vez mais a população do país.

Leia também: ICMS reduzido: veja variação mensal e anual dos preços dos itens

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.