EUA começa a pagar US$ 300 por criança para reduzir pobreza infantil

Pagamento segue até dezembro, mas Joe Biden pretende estender o projeto até 2025; 88% das crianças dos EUA serão beneficiadas com o programa

0

Anunciado em maio, os Estados Unidos deram início ao pagamento do seu “Bolsa Família”. É claro que o país comandado pelo democrata Joe Biden não fez o mesmo programa social do Brasil. No entanto, a ideia central do projeto dos EUA é a mesma.

Em resumo, pessoas em situação de vulnerabilidade poderão receber as quantias que irão variar de família para família. Isso quer dizer que o valor dependerá da quantidade de filhos que cada pai e/ou mãe têm e da idade que esses filhos possuem.

Atualmente, há um crédito fiscal infantil oferecido aos contribuintes norte-americanos. Em suma, o benefício reduz o imposto que cada família deve para que os contribuintes com filhos menores de idade possam ter mais dinheiro livre e sustentem suas famílias.

Contudo, esse benefício acaba deixando muitas famílias de fora, principalmente as mais necessitadas. E isso ocorre porque muita gente não possui rendimento e, consequentemente, não paga os impostos, ou seja, não pode haver dedução de valores que nem sequer são pagos. O resultado é que os mais pobres não recebem benefício algum.

Mudanças entre os programas

O novo projeto elevou o benefício que já é praticados nos EUA. Agora, o valor subiu de US$ 2 mil para US$ 3 mil por crianças menores de 18 anos, e chegará a US$ 3,6 mil para crianças menores de seis anos em 2021. Entretanto, desta vez, os valores serão pagos em parcelas mensais para as famílias.

Assim, famílias com filhos de até seis anos de idade recebem US$ 300 (mais de R$ 1.500). Os pagamentos são mensais e se multiplicam pela quantidade de filhos que a pessoa tem em casa. Então, se uma pessoa mora com três filhos menores de seis anos de idade, receberá três vezes esse valor (US$ 900).

Já para quem tem filhos que possuam entre seis e 18 anos de idade o valor é um pouco menor, de US$ 250. O ponto mais importante de mudança entre os programas é a elegibilidade das famílias. A saber, casais que tenham renda anual de até US$ 150 mil ou mães e pais solo que recebem US$ 112,5 mil no ano estão elegíveis a receber o benefício.

“Bolsa Família” dos EUA

No Brasil, o Bolsa Família verdadeiro não tem prazo para encerramento, mas a versão dos Estados Unidos chegará ao fim no final do ano. Os pagamentos seguirão até dezembro, mas o presidente Biden pretende estender as mudanças no programa até 2025. Até porque o benefício atingirá cerca de 88% das crianças dos EUA.

Por fim, o programa norte-americano se tornou uma realidade graças à liberação do pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão. Em síntese, o expressivo montante tem o objetivo de ajudar as famílias norte-americanas a enfrentarem a pandemia da Covid-19, que ainda afeta negativamente todo o mundo, apesar do avanço da vacinação.

Leia Mais: Setor varejista dos EUA sobe em junho e surpreende economistas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.