Etanol e gasolina estão entre os itens que mais subiram em 12 meses

Inflação do país entre outubro de 2020 e setembro de 2021 chega a 10,25%, mas dezenas de itens subiram bem mais que a taxa nacional

0

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 1,16% em setembro deste ano, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse é o maior nível para o mês desde 1994, ou seja, em 27 anos. A saber, o IPCA é a inflação oficial do Brasil e acumula forte avanço de 10,25% nos últimos 12 meses encerrados em setembro.

No entanto, há itens com variações muito mais expressivas que a taxa nacional. Em resumo, quem lidera o ranking das maiores disparadas no período é o pimentão, que está 96,34% mais caro do que nos 12 meses anteriores. Em seguida, fica a abobrinha, acumulando uma alta bem menor, de 64,93%, mas ainda muito superior ao IPCA.

Mas o destaque do top dez ficou com o etanol, que ocupou a terceira posição ao acumular alta de 64,77%. De acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio do litro do etanol hidratado nas bombas do país foi de R$ 4,736 na semana passada.

Outros quatro itens acumularam variações superiores a 50% em 12 meses: repolho (+57,90%), passagem aérea (+56,81%), batata-doce (+54,28%) e pepino (+52,56%). Completando o top 10, ficaram mandioca/aipim (+45,27%), açúcar refinado (+43,90%) e laranja-lima (+40,25%).

Gasolina, gás veicular e diesel aparecem no top 20

Segundo a lista feita pelo IBGE, a gasolina ocupou a 11ª posição, acumulando alta de 39,60%. Vale ressaltar que o combustível também é utilizado pela aviação. Com o abrandamento das medidas restritivas contra a Covid-19, a demanda por transporte aéreo volta a atingir altos níveis. Assim, o valor mais alto do combustível acaba sendo repassado para as passagens aéreas, que tiveram a quinta maior variação no período.

Por sua vez, o gás veicular ficou 38,46% mais caro no período, ocupando a 12ª posição no ranking. O combustível se tornou uma opção menos salgada para os motoristas. Contudo, ainda assim, apresentou uma forte disparada em 12 meses.

Já o óleo diesel teve uma variação um pouco menor (+33,05%) e ocupou a 19ª posição entre os itens com as maiores variações no período. A saber, o diesel é o combustível mais usado no Brasil. Seu litro custou R$ 4,830 na última semana, segundo levantamento da ANP.

Leia Mais: Dólar sobe pela quinta semana consecutiva, cotado a R$ 5,51

Veja Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.