Empresário inventa roubo para não pagar funcionários, mas acaba descoberto

Segundo o empresário, ele não tinha dinheiro para pagar seus funcionários no dia correto e decidiu inventar o crime para justificar o atraso

0

A fim de não pagar seus funcionários, um empresário de Bataguassu, no Mato Grosso do Sul, resolveu inovar e inventou um assalto, com direito a descrição de criminosos e registro oficial junto à polícia. Tudo isso, somente para não quitar os vencimentos de seus colaboradores. Todavia, a farsa do homem, de 44 anos, não durou muito e, agora, ele terá que responder por falsa denunciação de crime.

Em nota, divulgada nesta sexta-feira (23), a Polícia Civil revelou que o empresário teria aberto um boletim de ocorrência no dia 09 de julho. À época, ele, que não teve seu nome revelado, contou que dois homens haviam o abordado e levado o dinheiro que ele carregava na ocasião.

Segundo o empresário em depoimento, um integrante da dupla era baixo e estaria usando uma camiseta do Corinthians. Por outro lado, o segundo criminoso, que estava dirigindo a moto usada na abordagem, estava usando um jaqueta escura.

Com as informações do empresário, a polícia iniciou uma investigação para tentar descobrir quem havia praticado o crime. Todavia, ao checar as câmeras de segurança e também cruzar informações de testemunhas, os investigadores constataram que o homem sequer esteve no ponto em que disse ter sido roubado.

Com a suspeita de que ele teria mentido, a Polícia Civil o reconvocou e, na oportunidade, ele, após ser pressionado pelos investigadores, acabou confessando a farsa. Segundo o empresário, ele não tinha dinheiro para pagar seus funcionários no dia correto e decidiu inventar o crime para justificar o atraso.

A farsa do homem, inclusive, tinha dado certo, visto que, por conta da compreensão dos colaboradores, o prazo para quitar os salários foi postergado. Em nota, a Polícia Civil revelou que o inquérito do caso deve ser concluído na semana que vem e, depois disso, será remetido ao Ministério Público, que decidirá se oferecerá a denúncia à Justiça.

Caso seja condenado, o empresário pode receber uma pena de um a seis meses de reclusão, podendo esta ser convertida em multa e prestação de serviços comunitários.

Leia também: Polícia prende família composta por líderes religiosos em ação contra o trabalho infantil

Veja Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.