Bolsa Família: Novo pagamento já tem data; veja aqui

1

Beneficiários do Bolsa Família que têm NIS encerrado em um (1) já tem data confirmada para o próximo pagamento do auxílio emergencial. De acordo com o calendário da Caixa Econômica, banco responsável pelo pagamento, no próximo dia 18 de maio se inicia o pagamento da segunda parcela do benefício.

Os inscritos no Bolsa começaram a receber o auxílio no dia 16 de abril e seguirão até o dia 30 de junho, data em que será realizado o pagamento da quarta e última parcela.

Calendário completo de pagamentos

Final do NIS 1ª parcela (abril) 2ª parcela (maio) 3ª parcela (junho) 4ª parcela (julho)
1 16 de abril 18 de maio 17 de junho 19 de julho
2 19 de abril 19 de maio 18 de junho 20 de julho
3 20 de abril 20 de maio 21 de junho 21 de julho
4 22 de abril 21 de maio 22 de junho 22 de julho
5 23 de abril 24 de maio 23 de junho 23 de julho
6 26 de abril 25 de maio 24 de junho 26 de julho
7 27 de abril 26 de maio 25 de junho 27 de julho
8 28 de abril 27 de maio 28 de junho 28 de julho
9 29 de abril 28 de maio 29 de junho 29 de julho
0 30 de abril 31 de maio 30 de junho 30 de julho

 

Possível prorrogação do Auxílio Emergencial

O Ministro Paulo Guedes não descartou a possibilidade de prorrogação do auxílio emergencial, indo além das quatro parcelas que já estão previstas.

Na entrevista, Guedes declarou: “Isso pode acontecer (em relação à prorrogação da nova rodada do auxílio emergencial). Tem recursos já separados para isso. O que a gente não sabe é que quando ele acabar, ele tem que aterrissar no Bolsa Família mais robusto e permanente. Tem que ser bem financiado”.

Novo benefício

O ministro comentou ainda a respeito de um projeto que nasceu em fevereiro, que seria a concessão de um bônus a desempregados que fizerem cursos de capacitação profissional, que seria em torno de R$ 200 a R$ 300.

Este programa seria chamado Bônus de Inclusão Produtiva (BIP), como forma de qualificar e treinar principalmente jovens que não estão trabalhando ou estudando. O treinamento ficaria por conta de empresas, como por exemplo, a Microsoft, que já doou cinco milhões de cursos, segundo as informações de Paulo Guedes.

O ministro defende: “Da mesma forma que você dá R$ 200 para uma pessoa que está inabilitada para receber o Bolsa Família, por que não pode dar R$ 200 ou R$ 300 para um jovem nem-nem? Ele nem é estudante nem tem emprego. É um dos invisíveis. Por que eu não posso dar R$ 200 ou R$ 300? Estou pagando para uma empresa treiná-lo. Eu vou dar R$ 300”.

Ainda sobre o programa BIP, Guedes declara: “Nós devemos a eles também ferramentas de sobrevivência nos próximos meses enquanto fazemos a vacinação (contra a Covid-19) em massa”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.