Serviços sobem em 23 das 27 Unidades da Federação em maio

Levantamento do IBGE também mostra que 26 das 27 UFs tiveram avanço em suas taxas na comparação com maio de 2020

0

setor de serviços encerrou maio avançando 1,2% na comparação com o mês anterior. A saber, o que puxou essa elevação no período, após ajuste sazonal, foram os avanços registrados em 23 das 27 Unidades da Federação (UFs) no período.

Em resumo, o impacto positivo mais forte em maio veio de São Paulo (2,5%), seguido por Bahia (8,6%), Minas Gerais (2,1%) e Distrito Federal (3,7%). Em contrapartida, as únicas retrações no mês vieram de Tocantins (-2,9%), Mato Grosso (-0,4%), Piauí (-1,9%) e Rondônia (-0,8%).

A propósito, as informações fazem parte da Pesquisa Mensal de Serviços, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O órgão divulgou os dados nesta terça-feira (13), juntamente com a atualização dos indicadores de atividades turísticas do Brasil em maio.

Além do avanço registrado na comparação mensal, o volume de serviços também cresceu em relação a maio de 2020 (23,0%). A disparada aconteceu, porque diversas atividade econômicas ainda sofriam fortemente os impactos da pandemia da Covid-19 em maio do ano passado, dois meses após a decretação da crise sanitária no mundo.

Nessa base comparativa, 26 das 27 UFs tiveram crescimento em suas taxas. A principal influência positiva veio novamente de São Paulo (24,6%). Na sequência, ficaram: Rio de Janeiro (18,3%), Minas Gerais (26,9%), Rio Grande do Sul (21,2%), Santa Catarina (23,9%), Bahia (28,9%), Distrito federal (27,0%) e Paraná (13,4%).

Setor acumula crescimento nos cinco primeiros meses do ano

De acordo com o IBGE, o setor de serviços acumula alta firme de 7,3% nos cinco primeiros meses de 2021. Da mesma forma, 26 das 27 UFs também tiveram aumento em seus indicadores. Mais uma vez, São Paulo (7,9%) exerceu o maior impacto, seguido por Minas Gerais (12,6%), Rio de Janeiro (4,6%) e Santa Catarina (15,6%). Assim, apenas Sergipe registrou taxa negativa no período (-1,4%).

Por fim, a Pesquisa Mensal de Serviços investiga a receita bruta de serviços nas empresas, produzindo indicadores que permitem o acompanhamento do comportamento conjuntural do setor de serviços no Brasil. A pesquisa teve início em 2011 e sua abrangência alcança todas as Unidades da Federação, com uma periodicidade mensal.

Leia Mais: Volume de serviços cresce em maio e volta ao nível pré-pandemia

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.