Resgatando a História: iniciativa escolhe programas de preservação de patrimônio

0

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e cinco empresas – Ambev Brasil, EDP, Instituto Cultural Vale, Instituto Neoenergia e MRS Logística – lançaram nesta segunda-feira (12) o programa Resgatando a História. O objetivo é incentivar a preservação do patrimônio histórico material, imaterial e de acervos memoriais do país.

O investimento total será de R$ 200 milhões, sendo R$ 50 milhões das empresas parceiras e R$ 150 milhões do BNDES Fundo Cultural, que conta com recursos advindos da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Dessa forma, o BNDES escolherá propostas de restauração, conservação ou valorização de patrimônios históricos materiais e imateriais que tenham sido reconhecidos pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). No caso de materiais, podem se candidatar projetos que sejam apenas reconhecidos por órgãos estaduais ou distritais de proteção ao patrimônio histórico.

Saiba mais sobre o programa Resgatando a História

Além disso, serão contemplados acervos memoriais que tenham sido tombados pelo Iphan, registrados em nível nacional ou mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) ou que façam parte de acervos bibliográficos raros no “Catálogo do Patrimônio Bibliográfico Nacional (CPBN).

Para cada R$ 1 que as empresas parceiras colocarem no projeto, o banco aportará até mais R$ 3, dependendo da região do país.

Projetos executados nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste poderão contar com a participação de recursos do BNDES por meio do Resgatando a História para até 75% do investimento total. Em contrapartida, para os da região Sul, são 65%. Já no Sudeste, a participação máxima do banco será limitada a 50%. A diferença tem o objetivo de estimular projetos em regiões que tradicionalmente têm mais dificuldades de captação.

Na próxima quinta-feira (15), será aberta a chamada pública para inscrição de propostas com valores entre R$ 5 milhões e R$ 50 milhões. Sendo assim, os projetos poderão ser de entes públicos ou instituições sem fins lucrativos e não poderão ser relacionados às instituições parceiras do programa.

O prazo de execução dos projetos escolhidos pelo Resgatando a História deverá ser de até 36 meses. O cronograma prevê o encerramento das inscrições no dia 31 de agosto, com divulgação dos resultados da seleção em 31 de outubro e contratação e desembolso em 31 de dezembro.

Gostou dessa notícia? Deixe seu comentário abaixo e compartilhe o artigo nas redes sociais!

Fonte: Agência Brasil

Leia mais: CNI: confiança do empresário industrial sobe em julho

Pesquisa do Sebrae revela perfil de crédito para empreendedores

Programa BNDES Garagem vai ajudar pequenos negócios

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.