PF prende um dos maiores traficantes de animais e plantas do mundo

De acordo com a Polícia Federal, o traficante faz parte de uma complexa rede internacional de tráfico de animais silvestres

0

A Polícia Federal (PF) revelou nesta quarta-feira (14) que prendeu um dos maiores traficantes de animais e plantas do mundo durante a Operação LESHY, deflagrada para combater o tráfico internacional de animais silvestres.

PF investiga possíveis desvios de recursos públicos na área da educação no AM

De acordo com a PF, a prisão foi feita em junho, mas, por determinação judicial da 1ª Vara Federal da Seção Judiciária de Guarulhos, em São Paulo, a divulgação da ação, que prendeu o biólogo russo Kyrill Kravchenko, de 35 anos, acusado de tráfico de animais, só foi autorizada agora.

Em nota, a entidade relatou que o preso faz parte de uma complexa rede internacional de tráfico de animais silvestres, com relatos de envolvimento em ocorrências em países como Alemanha, República Tcheca, Polônia, Itália, Espanha, Finlândia, Bielo-Rússia, Madagascar, Emirados Árabes Unidos, África do Sul, Nova Zelândia, Austrália, Japão, México, Argentina, Equador, Brasil, Rússia, além de países do sudeste asiático.

“O alvo já foi preso, ao menos outras três vezes; com animais silvestres nativos do Brasil, em 2017, no aeroporto de Amsterdã, na Holanda; e duas vezes neste ano, no aeroporto de Guarulhos, em janeiro, e no Rio de Janeiro, em junho”, detalhou a corporação, que ainda relatou que o suspeito sempre foi capturado com grandes quantidades de lagartos, aranhas, sapos, cobras e insetos.

Com a apreensão de seu passaporte pela justiça brasileira, o alvo foi obrigado a permanecer no Brasil durante o processo. “Presume-se que sua atividade criminosa foi mantida através do envio de animais por via postal, o que será apurado com a aprofundamento das investigações”, explicou a Polícia Federal.

Por fim, a PF ainda revelou que os crimes praticados pelo investigado tiveram repercussão internacional por conta da comercialização de espécies ameaçadas de extinção relacionadas na Convenção Internacional CITES, da qual o Brasil é signatário.

Leia também: Farmácia que enganava imigrantes com vacina por R$ 100 é fechada em SP

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.