Vereador de SP é detido após dizer que ‘canalhas’ não impediriam evento do 1º de Maio

O vereador é membro da base de apoio do atual prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, e teria ido ao local para mediar a realização do evento

0

Marcelo Messias (MDB), vereador de São Paulo, acabou sendo detido no domingo (01) na Zona Oste da capital paulista. O motivo: ter supostamente desacatado agentes da Polícia Militar (PM). De acordo com as informações, testemunhas contaram que estava previsto a realização de um ato em comemoração ao Dia do Trabalho.

Bolsonaro comparece a ato em seu favor no Distrito Federal

No entanto, alegou o vereador, membros da SPTuris não apareceram no local, o que fez com que agentes da Polícia Militar barrassem a realização do ato.  Conforme publicou o portal “G1”, o vereador é membro da base de apoio do atual prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), e teria ido ao local para mediar a realização do evento.

Todavia, como não teve sucesso na realização do evento, ao chegar a noite, ele subiu no palanque e discursou. “Eu sou nascido na zona sul, eu não entendo porque a polícia, o bombeiro, a secretaria está fazendo isso com vocês”, disse o parlamentar, completando que os presentes não poderiam “aceitar esses canalhas prejudicando” os participantes.

Depois da fala, o vereador foi abordado pelos agentes da PM e detido sob a alegação de ter desacatado os policiais. Nas redes sociais, vídeos mostram o momento em que os agentes tentam convencer Marcelo Messias a se entregar. Como ele não se entregou, acabou sendo imobilizado e jogado no chão – testemunhas e o parlamentar dizem que a PM agiu com truculência.

Após ter sido detido, o vereador foi levado para o 101º DP (Jardim Imbuias) e, depois de registrar boletim de ocorrência, acabou sendo liberado. Em nota, a PM explicou que o evento não pôde acontecer porque “não foi apresentado pela organização o AVCB necessário para o prosseguimento do show previsto. As partes foram ouvidas, devidamente orientadas e liberadas”.

Leia também: Felipe Neto diz que é perseguido por conta de críticas a Bolsonaro

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.