Senadora americana é criticada por filha no TikTok por polícia pró-aborto

0

A senadora estadual Kelli Stargel, uma política de “valores familiares” que anunciou que está concorrendo ao Congresso, está sendo publicamente denunciada por sua filha Hannah Stargel em uma série de postagens no TikTok. “Eu senti que não podia mais ficar de lado e apenas assistir isso acontecer”, explicou Hannah, bissexual de 28 anos, em um post recente.

Entenda o caso 

Hannah Stargel disse em seu primeiro vídeo que sua mãe patrocinou um projeto de lei de aborto de 15 semanas, recentemente aprovado na Flórida que exclui incesto e estupro. Hannah afirma que ninguém deveria ter o direito de forçar ninguém a ser mãe. No vídeo, Hannah afirma que nem sua mãe cuidava dela como sua própria filha.”Esta é a mesma mulher que não me alimentaria se eu não fosse à igreja no domingo”, diz Stargel, que foi enviada para uma instalação para adolescentes problemáticos aos 15 anos. 

“São anos de negligência, colocando a política antes de tudo, e honestamente sendo uma pessoa horrível, horrível para se admirar, é realmente alguém em DC que você quer que aprove leis para você e seus filhos?”, acrescentou. 

Discussão sobre o aborto nos EUA

O aborto é uma questão política controversa que tende a provocar fortes respostas emocionais em ambos os lados do espectro ideológico. Milhares de organizações já publicaram um fluxo constante de análises e comentários políticos sobre o tema. Em um ambiente de mídia moderna supersaturado e muitas vezes superestimulado, as discussões politicamente orientadas sobre o futuro do aborto sobrecarregam o conteúdo , incitando em vez de informar.

Discussões focadas em eventos e tendências nacionais também podem distrair o debate sobre o aborto. Em última análise, a decisão de fazer um aborto é tomada por indivíduos com suas próprias experiências e circunstâncias únicas.

Mudanças legais nos EUA

O governador de Oklahoma, Kevin Stitt, assinou a proibição do aborto mais dura do país nesta semana, tornando o estado o primeiro do país a encerrar efetivamente a disponibilidade do procedimento. Os legisladores estaduais aprovaram uma liminar contra ações civis, mas não criminais, semelhante à lei do Texas aprovada no ano passado. A lei, que entrou em vigor imediatamente após a assinatura de Stitt, proibiu todos os abortos com algumas exceções. 

“Prometi aos habitantes de Oklahoma que, como governador, assinaria todas as leis pró-vida que chegassem à minha mesa e estou orgulhoso de cumprir essa promessa hoje”, disse o republicano em em comunicado.“A partir do momento em que a vida começa na concepção, temos a responsabilidade, como seres humanos, de fazer tudo o que pudermos para proteger a vida desse bebê e a vida da mãe. É nisso que acredito e é nisso que a maioria dos habitantes de Oklahoma acredita.”, acrescentou.

Em suma, defensores do aborto em todo o país estão se preparando para a possibilidade de que uma nova maioria conservadora na Suprema Corte dos EUA possa limitar ainda mais a prática, como feito em Oklahoma e Texas. 

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.