Polícia procura grupo suspeito de aplicar ‘golpe do motoboy’ e furtar R$ 70 mil de idoso no DF

As investigações do caso do "golpe do motoboy" começaram no meio deste ano, quando o grupo fez um idoso como vítima. Ele perdeu cerca de R$ 70 mil

0

A Polícia Civil deflagrou, nesta quarta-feira (22), uma ação que teve como intuito desarticular um grupo especializado no chamado “golpe do motoboy”. De acordo com a entidade, a quadrilha entrava em contato com as vítimas e, por telefone, as convenciam a entregar cartões de crédito e a senha.

Em nota, a Polícia Civil revelou que cumpriu dez mandados de busca e apreensão. Além destes, a corporação também saiu às ruas para cumprir três ordens de prisão preventiva em São Paulo, capital. No entanto, os alvos não foram localizados.

As investigações contra o grupo

Segundo a Polícia Civil, as investigações do caso do “golpe do motoboy” começaram no meio deste ano, quando o grupo, que é itinerante, isto é, tem atuação em diversos estados brasileiros, com o objetivo de dificultar a atuação da polícia, agiu em Brasília, no Distrito Federal. Na ocasião, a vítima foi um idoso, de 77 anos, que perdeu cerca de R$ 70 mil.

Ainda conforme a entidade, o grupo criminoso é comandado por dois homens: Daniel Soares Sampaio, de 37 anos e Elvis Viana Ribeiro, de 28. Além disso, também faz parte da organização Jaqueline de Moura Félix da Silva, de 20 anos, que, assim como a dupla, não foi encontrado em nenhum dos endereços.

Como funciona o “golpe do motoboy”

Thiago Carvalho, delegado à frente do caso, explicou que os criminosos manipulavam as vítimas a fim de que elas fornecessem informações sigilosas como senhas e números de cartões de crédito, sendo que a fraude teria início com uma simples ligação.

“Os criminosos ligam para as vítimas, em sua maioria idosa, se passando por funcionários da central de segurança do banco e solicitam a confirmação de uma compra suspeita, que nunca existiu, realizada no cartão de crédito”, contou o delegado.

golpe do motoboy
Os criminosos acusados do crime permanecem foragidos da Justiça. (Foto: reprodução)

Depois de explicar sobre o suposto uso do cartão, os bandidos orientavam que as vítimas ligassem para a operadora do cartão e efetuassem o bloqueio do objeto. Neste momento, quando as pessoas discavam o 0800 da central de atendimento da operadora de cartão, os bandidos puxavam a linha e eles mesmos faziam o atendimento da pessoa.

Na conversa, o criminoso afirma que um funcionário do banco irá recolher o cartão para que uma perícia seja feita. No entanto, a ideia é pegar o objeto e utilizá-lo. “O suposto funcionário vai até a casa da vítima, geralmente um motoboy, efetua a coleta do cartão. A partir daí, com o cartão e senha em mãos, começam a ser efetuadas transações financeiras com o uso do cartão da vítima” explica o delegado.

Leia também: Estudante é presa por cobrar para não divulgar conversa íntima com servidor público em Teresina

Veja Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.