Eleições 2022: pesquisa mostra que 40% das mulheres ainda não têm voto fixo

Das mulheres entrevistadas para a pesquisa, 50% afirmaram que pretendem votar no ex-presidente Lula e 22% no atual chefe do Executivo, Bolsonaro

0

Uma pesquisa divulgada nesta sexta-feira (17) pela Genial/Quaest mostrou que, até o momento, 40% das brasileiras ainda não têm voto fixo em um candidato à presidência da República em 2022. De acordo com o levantamento, este grupo, que explica que “pode mudar de presidenciável caso algo aconteça”, pode definir as eleições presidenciais no Brasil.

New York Times diz que Bolsonaro tem apoio de militares para golpe caso perca as eleições

Das entrevistadas para a pesquisa, 50% afirmaram que pretendem votar no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Em contrapartida, 22% de mulheres disseram que têm a intenção de votar no atual chefe do Executivo, Jair Bolsonaro (PL), que tenta se reeleger.

Conforme a pesquisa, a respeito das preocupações das eleitoras, a pesquisa destaca como resultado:

  • Economia (43%);
  • Saúde/pandemia (17%);
  • Questões sociais (13%);
  • Corrupção (9%);
  • E a violência (8%).

Do total de mulheres, 8% indicaram que suas preocupações são fatores que não foram listados na lista. Enquanto isso, 2% não souberam responder ou não responderam. Ainda de acordo com a pesquisa da Genial/Quaest, 51% das mulheres consideram a gestão Bolsonaro negativa e 65% acreditam que o chefe do Executivo errou mais do que acertou durante o período da pandemia da Covid-19.

O tema abordo também foi objetivo de questionamento. Na ocasião, 51% das mulheres entrevistadas disseram que as chances de voto em um candidato que viesse a defender publicamente o direito ao tema caíram. A pergunta foi feita porque, em abril deste ano, Lula defendeu o procedimento, dizendo que “o aborto deveria ser transformado em uma questão de saúde pública” e que todo mundo deveria ter direito e não vergonha.

Conforme a Genial/Quaest, a pesquisa foi realizada de 2 a 5 de junho e ouviu duas mil mulheres. Segundo o instituto, dados como idade, escolaridade, renda familiar, religião e se as eleitoras recebem o benefício do Auxílio Brasil foram levados em consideração no levantamento, que tem uma margem de erro estimada em dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Leia também: Presidente Bolsonaro diz que não “leva jeito” para o cargo

Avalie o Artigo:
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.