Conheça as 10 ações do Ibovespa com os maiores tombos em novembro

Índice encerra mês com leve queda de 1,53%, mas ações da Natura chegam a tombar mais de 30% no mês

0

Os investidores que colocaram seu dinheiro na Bolsa Brasileira em outubro correram grande risco de perder parte dele. Isso porque o Ibovespa, principal índice acionário da bolsa, recuou 1,53% no mês. Aliás, 55 das 92 ações que compõem a carteira do indicador fecharam o mês no vermelho, ou seja, 59,78% do total.

Embora a queda do Ibovespa tenha sido bem leve no mês, o recuo médio dos três piores papéis de novembro foi de 29,05%. Isso quer dizer que o tombo médio destas três ações foi 19 vezes maior que a queda do índice. E as empresas que assumiram estas posições foram: Natura, Locaweb e Magazine Luiza.

Em resumo, as ações do Grupo Natura despencaram 31,39%. Isso aconteceu, em parte, devido à divulgação do balanço do terceiro trimestre, que revelou uma forte queda de 28,5% do lucro líquido. Além disso, a aquisição da Avon também pesou no resultado, uma vez que a incorporação da marca segue lenta e com pouca expectativa de sinergia.

Na segunda posição ficou a Locaweb, cujas ações despencaram 27,92%. A saber, os papéis das empresas de tecnologia acabam sofrendo grandes perdas em momentos de incerteza. E isso não falta no Brasil, especialmente em relação à questão fiscal. Nesse caso, os investidores preferem adquirir papéis com maior previsibilidade e retornos no curto prazo.

Fechando o top três ficou a Magazine Luiza, com um tombo de 27,84% em novembro. Em suma, as ações do varejo on-line sofreram com os altos custos da retomada das operações nas lojas físicas. A expectativa é que o movimento presencial aumentasse no país, mas isso não aconteceu. Aliás, a inflação elevada segue afastando os consumidores e fez a Magazine afundar no mês.

Conheça os outros papéis do Ibovespa que afundaram no mês

Na sequência, ficaram os papéis do Assaí (-16,61%), do Banco Pan (-15,27%), da BRF (-14,98%) e da Rede Dor (-14,97%). Da mesma forma, a inflação elevada aumentou o custo de capital da empresa no período. Ao mesmo tempo, a compra do Extra pelo Assaí também não foi bem vista pelos investidores, pelo menos não por enquanto.

A CVC Brasil também teve forte recuo no mês (-14,72%). Em síntese, o setor de turismo e viagens sofreu fortemente com a pandemia da Covid-19 no ano passado. Já em 2021, o setor ensaiou uma recuperação, mas a variante delta colocou muitos desafios no caminho. Agora, com a nova variante ômicron, a situação parece ter ficado ainda mais preocupante.

Por fim, as outras duas ações que completaram o top dez foram as da Petro Rio (-13,55%) e da Weg (-12,89%).

Leia Mais: Pará lidera ranking de taxa de informalidade no país

Avalie o Artigo:
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.