Conheça a empresa que oferece ‘poupança’ por assinatura

Fintech criou mecanismo que ajuda os consumidores a poupar através de dívidas mensais do cartão de crédito, cujos valores ficam guardados

0

Muitos brasileiros estabelecem metas para poupar uma parte do seu dinheiro todos os meses. São anotações, cálculos e ponderações para que, no fim, não consigam guardar um único centavo. Essa é a realidade de muitos, que sonham com uma poupança, mas não guardam nada.

Se você faz parte desse grupo, não se preocupe, porque seus problemas podem ter chegado ao fim. É que uma fintech criou um sistema que ajudará aqueles que não conseguem guardar dinheiro, o “poupança por assinatura“. Em resumo, o objetivo do sistema é “forçar” os clientes a pouparem, mas com o consentimento deles.

Em primeiro lugar, os interessados podem aderir à “assinatura” do sistema, através do site da MonisLá, o cliente preenche os dados pessoais e do seu cartão de crédito para fazer o cadastro. Após isso, ele escolhe o valor que quer guardar por semana, informa o montante total que deseja poupar, e faz o pagamento através do cartão de crédito cadastrado. Assim, ele paga como se fosse uma compra realizada através cartão.

Aliás, o sistema é bastante acessível, com valores que podem ir de R$ 25 a R$ 1.000. Dessa forma, no final de cada mês, a fatura do cartão traz estes quatro pagamentos semanais realizados à Monis. Então, é só pagar que o seu dinheiro estará guardado.

Mas para onde vai o dinheiro?

De acordo com a fintech, o dinheiro pago vai para um certificado de depósito bancário (CDB) de liquidez diária. Isso quer dizer que o cliente está “emprestando dinheiro para um banco”, uma vez que o CDB é um produto de renda fixa do mercado financeiro.

A Monis escolheu um CDB do PagBank, do grupo PagSeguro, que rende 100% do CDI, ou seja, o rendimento é colado à taxa básica de juros do Brasil, a Taxa Selic. E esse tipo de investimento possui a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Assim, em caso de “calote” ou havendo algum problema, o investidor receberá o valor investido até R$ 250 mil.

No entanto, vale ressaltar que a Monis ainda busca a parceria de alguma instituição financeira para que o CDB seja feito no nome de cada investidor. Atualmente, o CDB é no nome da própria fintech, por isso, o valor total de garantia é de R$ 250 mil. Assim, caso haja calote, será esse valor devolvido para a Monis. Nesse caso, é bom torcer para que os aportes não tenham superado esse montante para que ninguém saia no prejuízo.

Por fim, os clientes podem resgatar o dinheiro de sua poupança quando quiserem. Para isso, precisam fazer o pedido no próprio site da Monis e informar que querem receber o valor de volta, mesmo antes de alcançar o montante informado no cadastro. A Monis apenas envia uma mensagem para ter a confirmação do cliente sobre não concluir o desejo inicial. E, se eles quiserem continuar, a fintech devolve o dinheiro.

Leia Mais: Indústria do país perdeu mais de 1,4 milhão de postos de trabalho em seis anos

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.