Veja como o antitranspirante pode impactar em sua saúde

Você sabia que os componentes do antitranspirante podem ser prejudiciais?

0

O antitranspirante impacta em sua saúde de formas diversas, desde a mais discreta até a mais severa. Isso porque, os componentes desse produto podem oferecer danos ao corpo a longo prazo, além de outros desconfortos clássicos.

Entre os componentes do antitranspirante existem alguns produtos que podem afetar a microbiota das axilas, por exemplo. Ademais, um ingrediente chave para esses produtos são os sais de alumínio. Estes estão no foco de discussões acerca de sua segurança e risco.

Randolfe Rodrigues quer que TSE obrigue Bolsonaro a admitir que mentiu sobre as urnas eletrônicas

Continue lendo esse artigo para saber como o antitranspirante pode impactar em sua saúde!

Presença de alumínio

Um dos componentes mais polêmicos do antitranspirante é o alumínio. Usado para auxiliar na diminuição da transpiração através do entupimento dos poros, esse constituinte do antitranspirante pode estar impactando em sua saúde. Isso porque, surgiram dúvidas e questões acerca de um possível risco associado à exposição prolongada ao alumínio e derivados e o desenvolvimento de câncer.

Antes que você largue às pressas seu produto é importante narrar em que pé estamos no conhecimento científico. Atualmente, a ciência não sabe precisamente quais os riscos do uso prolongado de produtos com alumínio. Existem indícios de que a exposição pode ser um fator para desencadear a doença, mas nada é certo. Mantenha-se informado e se for possível evite esses produtos.

Prejuízos para a microbiota local

Um segundo fator impactante para a saúde, porém mais negligenciado, é a composição da microbiota. O antitranspirante pode estar impactando em sua saúde através do desbalanceamento das bactérias que colonizam nossa pele. Ao contrário do que podemos achar, as axilas são microambientes com dinâmicas complexas e seu equilíbrio depende da presença majoritária de algumas bactérias e de outras não.

Embaixada dos EUA diz que eleições no Brasil são ‘modelo’ para o mundo após ataques de Bolsonaro

Dessa forma, o antitranspirante pode alterar, por exemplo, a disponibilidade de sais, água e outros componentes excretados no suor e favorecer uma bactéria específica. Esse desequilíbrio pode levar ao aumento do mau cheiro, irritações na pele, coceira, vermelhidão e até infecções. Existem algumas formas de se contornar esses problemas através da adoção de outras opções.

Pequenas mudanças

Uma das formas de contornar os problemas causados é o uso de desodorantes não alcoólicos, desodorantes enzimáticos ou outras receitas caseiras e veganas. Essas pequenas mudanças podem gerar um enorme impacto em nossas vidas, na medida em que reequilibram a microbiota local e não nos expõem a riscos desconhecidos.

Esses produtos apresentam ingredientes não danosos ao corpo e que podem corroborar com a saúde das axilas. Por exemplo, uma tendência crescente no mercado são os desodorantes enzimáticos. Estes prometem preservar a microbiota desejável nas axilas, enquanto tratam do mau odor. Tudo isso sem o uso de alumínio e outros compostos prejudiciais.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre como o antitranspirante pode impactar em sua saúde é importante buscar ajuda caso algo esteja errado. Cheiros intensos, prurido, aparência estranha e outras alterações nas axilas podem ser indicativos de que algo está errado. Busque por um dermatologista ou outro especialista para receber orientações adequadas e mantenha-se sempre informado sobre os produtos que consome.

Open Finance: será que vale a pena aderir?

Avalie o Artigo:
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.