Vacinação é incentivada por evento do governo federal

O evento, que contou com a presença do presidente e do ministro da Saúde, apresentou o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.

2

Na última quarta-feira o governo federal promoveu um evento para apresentação do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. Acima de tudo, o objetivo do evento foi de divulgar informações sobre o processo de produção, aprovação, escolha e distribuição dos imunizantes a serem utilizados na campanha. Estiveram presentes o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Segundo o secretário nacional de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, essa será uma campanha de comunicação em duas fases.  Em primeiro lugar, a campanha visa esclarecer a população sobre a importância da vacinação contra a covid-19. Em segundo lugar, a campanha deverá ser realizada para convocar os grupos prioritários a comparecerem aos locais de imunização. 

Sobre o plano de vacinação

A vacinação no Brasil está prevista para ter início logo que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprove um imunizante para uso. A campanha deverá ser responsável por imunizar cerca de 50 milhões de pessoas, divididas em quatro grupos prioritários. A campanha deverá imunizar os profissionais da área da saúde, idosos acima dos 60 anos, portadores de comorbidades, professores, forças de segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional. A duração da campanha de vacinação deverá ser de 16 meses. São cotadas as vacinas AstraZeneca, Covax, Pfizer e CoronaVac.

O pedido de aprovação da CoronaVac para uso deverá ser apresentado pelo Instituto Butantan em 23 de dezembro. A inspeção na fábrica da vacina da AstraZeneca foi encerrada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 11 de dezembro. Já a Pfizer apresentou nesta semana à agência os  documentos com os resultados do estudo fase 3 de testes.

Além disso, a AstraZeneca dará início aos testes conjuntos para vacinação em parceria com a russa Sputinik V. Assim, a combinação de diferentes vacinas poderia ser capaz de induzir uma maior resposta imune nos indivíduos. 

Na última semana a agência reguladora dos Estados Unidos, a FDA, anunciou que a vacina da Moderna não apresenta problemas de segurança. Além disso, ela alcançou eficácia de 94%.

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.