Vacinação contra a Covid-19: professores receberão a imunização até setembro

Em novo pronunciamento, Governo Federal afirmou que todos os professores brasileiros deverão tomar a vacina contra a Covid-19 até setembro de 2021.

0

Nesta sexta-feira (30), em audiência pública na Câmara dos Deputados, representantes do Planalto falaram sobre a temática e, conforme posicionamento do Governo Federal, todos os professores brasileiros deverão tomar a vacina contra o novo coronavírus até setembro de 2021.

Vacinação contra a Covid-19: deputados vão pedir prioridade para pessoas obesas

Franciele Fantinato, coordenadora do Plano Nacional de Imunização (PNI), estava nessa audiência e, segundo ela, o objetivo governamental é focar nessa classe trabalhista durante o atual momento da pandemia.

A coordenadora ainda informou que os profissionais da educação deverão receber a primeira dose ainda no mês de junho.

Pela lógica, aqueles que receberem a primeira dose da Coronavac em junho, deverão receber a segunda dose no mês seguinte, ou seja, em julho.

Já os professores que tomarem a Astranezeca precisarão esperar um pouco mais para que a imunização seja realizada por completo, pois o intervalo entre as duas doses é de 84 dias. Portanto, esse grupo só receberá a segunda dose em setembro.

Por esta lógica de vacinação é que o Governo Federal estimou setembro como prazo final para que os professores estejam imunizados contra a Covid-19. Vale ressaltar, ainda, que isso valerá para todos os profissionais da educação, desde o professor que atua na educação básica até aquele que trabalha com nível superior.

Possibilidade de atraso

Por outro lado, Franciele Fantinato também ressaltou que tudo não passa de uma previsão. Isso porque o Governo utilizou para estimar o prazo a data de chegada de novas vacinas vindas do exterior. Assim, se houver um atraso na entrega, o prazo deverá ser estendido.

De acordo com a coordenadora, “pode haver variáveis que estão sendo monitoradas pela secretaria executiva do ministério que podem estar trazendo atrasos ou não nesse cronograma, e essas variáveis estão sendo trabalhadas para que esses cronogramas sejam cumpridos”.

Vacina e educação

Por óbvio, há uma preocupação com o quadro de educação no país. A maioria das escolas estão fechadas desde março de 2020 e especialistas apontam que o ensino remoto não fornece o mesmo subsídio educacional que a educação presencial.

Assim, a vacinação dos profissionais da educação e, futuramente, dos alunos, pode indicar um possível retorno gradativo das aulas no país.

Leia também: Covid-19: Ministro da Saúde faz apelo para países doarem vacinas ao Brasil

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.