Teto de gastos e Previdência já geraram economia de R$ 900 bi em juros, diz SPE

0

As aprovações da emenda constitucional do teto de gastos em novembro de 2016  juntamente com a previdência de 2019, fez com que o Brasil tivesse gerado uma economia de R$ 900 bilhões em juros. Esse valor é correspondente a  2,97% do Produto Interno Bruto (PIB) no mesmo valor de 50 dias. 

O SPE realizou cálculos para descobrir em quanto haveria caído a dívida pública, chegando a pouco mais de 8% somente no ano de 2020 e em  2016 para 23,04%. A redução de juros, segundo os especialistas, teria influenciado o caso. 

Sem as reformas da previdência e as outras que já foram realizadas, a dívida do Brasil poderia sair de $ 3,65 trilhões para R$ 4,55 trilhões em pouco tempo. Ou seja, seria como se houvesse um endividamento pessoal para cada brasileiro no valor de R$ 4.270. 

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, argumentou que esse estudo foi realizado para mostrar ao Brasileiro que as reformas não são realizadas sem objetivo e que elas trazem consequências positivas para a economia. 

“Não é uma questão de ideologia. Estamos falando da redução do risco Brasil, da queda dos juros estruturais e da ancoragem das expectativas de inflação, que levam ao aumento da produção e do emprego. A consolidação fiscal é do interesse principalmente dos mais pobres, que mais sofrem com o desemprego e a inflação”, destacou.

Teto de gastos e a previdência

De acordo com ele, aos políticos tentarem burlar o teto de gastos, é comum que o povo se sinta em risco já que pode aumentar a dívida externa. Ela já ultrapassou, com o auxílio emergencial e a compra das vacinas, a faixa de R$ 5 trilhões e teve aumento de 0.99%. 

O secretário reforça constantemente a importância de seguir à risca os valores máximos para que a dívida possa ser controlada. O PIB de 2020 decaiu em 4,1% e o Brasil já deixou de estar entre as 10 maiores economias do mundo: foi passado pela Rússia e também pelo Canadá. 

Leia mais: Receita Federal diz que pobres não leem livros e defende aumentar tributação

Para Pereira, a aprovação das reformas administrativa e da previdência também possuem impactos positivos e, segundo ele, a queda dos juros no Brasil ocorreram devido a queda de juros em escala internacional. 

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.