Serasa permite negociação de dívidas em agências dos Correios

São 7 mil pontos de atendimento em que os devedores poderão negociar suas dívidas na Serasa; os descontos podem chegar a 90%

0

Os devedores com o nome inscrito na Serasa poderão renegociar os débitos atrasados ou negativados em agências dos Correios. A medida passou a valer ontem (29) e estará disponível em mais de 7 mil unidades espalhadas por todo o Brasil.

De acordo com a empresa, a parceria com os Correios é importante para ajudar a parcela da população sem acesso à internet. Os refinanciamentos podem ser feitos diretamente nos guichês de atendimento e os descontos podem chegar a 90%.

Para isto, o consumidor deve se dirigir à agência mais próxima com o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e algum documento oficial com foto. Lá, deve pedir o serviço Serasa Limpa Nome. Por fim, a consulta e a impressão do boleto para o pagamento levarão de dois a cinco minutos.

Serasa nos Correios

Este não é o primeiro serviço oferecido pela empresa nas agências dos Correios. O cliente também pode verificar a situação do CPF por meio do serviço Meu Serasa. Além disso, é possível analisar o CPF, o Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) e a pontuação de terceiros por meio do serviço “Você Consulta”. De acordo com a Serasa, a consulta aos dados de terceiros permite proteger o consumidor de fraudes e de prejuízos com quem se deseja fazer uma negociação.

O Serasa Limpa Nome fechou mais de 9,7 milhões de acordos e concedeu mais de R$ 344 bilhões em descontos na plataforma. Ele foi relançado há quase dois anos e, além das agências dos Correios, o serviço de renegociação está disponível no site da Serasa e nos pontos de atendimento da empresa.

Contudo, para utilizar os serviços da empresa nos Correios, o consumidor precisa pagar taxas de administração. Cada dívida renegociada custa R$ 3,60. A impressão da segunda via de boletos custa R$ 2,60 por acordo. O serviço Meu Serasa, de autoconsulta, custa R$ 14. O serviço Você Consulta, para análise de dados de terceiros, cobra R$ 21,60.

Confira mais notícias sobre Economia, clique aqui.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.