Saiba mais sobre a sialorreia

0

A saliva cumpre papéis importantes, como prevenir infecções orais e respiratórias, mas quando o organismo produz uma grande quantidade dela pode não ser um bom sinal. Temos aí um problema chamado Sialorreia, que pode causar lesões de pele, tosse e engasgos, além de aumentar o risco de pneumonia aspirativa.⠀

Em outras palavras, a sialorreia é a produção excessiva de saliva, saindo pela boca do paciente em forma de baba. Nesse sentido, pode estar relacionada a posturas inadequadas da cabeça, fraqueza cervical, problemas odontológicos ou ao uso de medicações, como sedativos, por exemplo.

O normal é produzirmos cerca de 500 ml a 2 litros de saliva ao dia. Engolimos a saliva  acordados e dormindo, sem perceber.

Tipos de sialorreia

São 3 os tipos da doença: sialorreia primária, secundária e emocional. Na primeira, o problema é consequência da própria produção excessiva de saliva, enquanto a secundária acontece por alguma alteração no controle dos músculos da face e da língua. Na sialorreia emocional, a pessoa acaba apresentando a doença em decorrência de algum processo de ansiedade ou estresse muito alto.

A sialorreia também pode ser sequela de alguma outra doença, como o AVC, a esclerose múltipla e o Mal de Parkinson.

Tratamento

Existem opções simples para tratar o problema, como acompanhamento com fonoaudiólogo e medicação. Além disso, é possível aplicar uma substância chamada toxina botulínica nas glândulas responsáveis pela produção de saliva, procedimento que pode ser feito por um neurocirurgião. O tratamento também pode ser cirúrgico, com ressecção das glândulas submandibulares e ligadura dos ductos parotídeos.

Por fim, vale lembrar que a sialorreia pode gerar impacto social, infecções perioral, sobrecarga do cuidador, desidratação, risco de broncoaspiração (doenças pulmonares recorrentes).

Na dúvida, procure um otorrinolaringologista.

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.