REPÚBLICA OLIGÁRQUICA: características, contexto e revoltas.

1

REPÚBLICA OLIGÁRQUICA é a denominação dada ao início da República brasileira. Esta, se estendeu desde a Proclamação da República em 15 de novembro de 1889 até a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas. No entanto, foi um período marcado de conflitos e revoltas. Quer saber mais como ocorreu?

Resumo sobre a república velha

República da Espada (1889 – 1993)

O Brasil foi governado por dois militares: Marechal Deodoro da Fonseca e Marechal Floriano Peixoto. Então, uma nova constituição brasileira republicana foi promulgada pelo Congresso Constituinte no dia 24 de fevereiro de 1891.

A Assembleia Constituinte pôs em foco alguns tópicos importantes; Fim do poder moderador, separação do estado e da igreja, banimento da família imperial e as províncias deveriam se tornar estados. Aqui, a Eleição de Bico de Penal começou a existir: Na hora de representar a ATA na eleição, o responsável poderia alterar os números e as informações, tornando a eleição fraudulenta.

Encilhamento e a queda de Deodoro

O encilhamento ocorreu em 1890 e tinha como o objetivo uma política emissionista que pretendia desenvolver a indústria e remunerar os assalariados. Com isso, a inflação aumentou consideravelmente e a moeda foi desvalorizada, provocando a queda de Deodoro.

  • Emissão monetária sem lastro ouro para compra de ações nas bolsas de valores.
  • Especulação desenfreada, desemprego e falência.
  • Muita gente tinha dinheiro para comprar ações na bolsa.

PLUTOCRACIA E POLÍTICA CAFÉ-COM-LEITE

A elite do café controlava os meios de produção, detendo o poder econômico, social e político. Com base nisso, mineiros (produziam o leite) e os paulistas (produziam o café), desenvolveram a política café com leite. Desta forma, o poder iria se alternar a cada eleição entre as duas oligarquias brasileiras.

Política café com leite: O que foi?

Curral eleitoral e como a política era garantida

Curral não é nada mais que um local onde permaneciam os cavalos. Então, diziam que o voto era de cabresto (controla o cavalo) pois os coronéis controlavam em quem cada um votaria. Levavam consigo jagunços que “protegeriam” os cidadãos no dia da eleição, caso alguém votasse o oposto, seria perseguido e morto (os jagunços sabiam pois o voto era aberto).

Então, neste mesmo período, surgiu a política dos governadores: o governo federal concedia poder e liberdade política e ainda benefícios econômicos para as oligarquias estaduais. Em troca, favoreciam a escolha dos candidatos por meio do voto aberto, comandadas e manipulada pelos coronéis, os quais representavam a força local.

Curral eleitoral - República oligárquica

Com isso, o coronelismo surge e se resume na metodologia citada anteriormente: Votos abertos em que o coronel de cada lugar vendia os votos e obrigava cada cidadão votar em quem o coronel achava conveniente. Isso ocorria pois existiam partidos nacionais, somente regionais: Era necessário agradar ao coronel para que seu partido ganhasse as eleições.

O que ocorreu durante a república oligárquica?

Surgimento de favelas

Em 1904, desejava-se ubanizar a cidade de Rio de Janeiro, tornando-a a “nova Paris”. Então, para embelezar a cidade, colocou-se ao chão diversos cortiços para realizar a construção de novos prédios. Portanto, as pessoas não tendo para onde ir, decidiram morar nos morros da cidade. O que fora citado se deve por dois fatores essenciais: o grande número de soldados vitoriosos da Guerra de Canudos, que desembarcaram no Rio em 5 de novembro de 1897 sem moradia, e a grande concentração de negros que lotavam a cidade após a abolição da escravatura.

Alguns dos soldados, após regressarem vitoriosos ao Rio de Janeiro em 1897, não receberem o prometido e foram invadindo uma antiga chácara, com o apoio de um oficial, no Morro da Providência, que ganhou então o “apelido” referente a Canudos.

“Depois de uma confusão em que tentaram matar o prefeito, estabeleceu-se um caos, uma grande desordem. Em função disso, os soldados foram desmobilizados. Eles saem do Ministério do Exército desempregados e sem ter como viver. Atrás dali tinha o Morro da Providência e eles ocupam esse morro”, lembra Milton, ressaltando que nessa época a região já estava lotada de cortiços.

Com base nisso, conheça um pouco mais neste artigo produzido pelo site G1.

Revolta da Vacina – 1904

Revolta da vacina: república oligárquica

Oswaldo Cruz (cientista brasileiro), realizou diversas campanhas de vacinação para aniquilar as doenças tropicais que atacavam o Brasil na época: Varíola e febre amarela. Portanto, um dos intuitos era acabar com o preconceito de gringos e poder avançar com o turismo no país. Desta forma, pessoas poderiam viajar para o Brasil sem o medo de obter alguma destas doenças.

Contudo, o povo ainda não tinha conhecimentos sobre como funcionavam as vacinas: Não queriam tomá-las e se revoltaram. Além da falta de conhecimento, as campanhas eram totalmente totalitárias: Invadiam suas casas e obrigavam que cada pessoa tomasse a vacina.

A imprensa não perdoava Oswaldo Cruz dedicando-lhe charges cruéis ironizando a eficácia do remédio.

Charge retratando o cientista Oswaldo Cruz como “esfolador” do Zé Povo

Então, entre os dias 10 e 16 de novembro de 1904, todos saíram às ruas para lutar contra aquela obrigação. Alegavam portanto, que cada cidadão tinha o direito da liberdade e que não poderiam realizar a campanha totalitária.

Convênio de Taubaté na república oligárquica – 1906

O Convênio de Taubaté foi realizado pelos governadores de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro em 1906. Consequentemente, ele tinha como objetivo proporcionar uma política para rentabilizar o café brasileiro.

Um dos problemas causados no início deste século foi a superprodução. Portanto, como o café era a base da economia, houve uma desvalorização deste produto e não encontrava-se ninguém para comprá-los. Com isso, o governador de São Paulo organizou o convênio que contou com a presença do presidente de Minas Gerais, Francisco Sales, e do  Rio de Janeiro, Nilo Peçanha. Com isso, eles puderam chegar a um acordo em 26 de fevereiro de 1906. Portanto, os órgãos do Estado ficariam responsáveis pela compra do café a um preço mínimo, garantindo a renda dos cafeicultores.

Convênio de Taubaté - República
Os governadores tinham que tirar do dinheiro estatal para comprar o café

O convênio proporcionou regras para que a produção não fosse alta, sendo assim, os governadores de cada estado não gastariam tanto (o presidente não assumiu a política). Com isso, a produção aumentou consideravelmente, tal como as rendas pagas aos agricultores.

Portanto, os resultados desta política foram sentidos em 1929 com a quebra da bolsa: o preço do café despencou e foi o fim desta política.

Revolta da Chibata – 1910

A Revolta da Chibata foi um grupo organizado por soldados da Marinha brasileira de 22 a 27 de novembro de 1910. A revolta organizada pelos marinheiros ocorreu em embarcações da Marinha que estavam atracadas na Baía de Guanabara e foi motivada, principalmente, pela insatisfação dos marinheiros com os castigos físicos e desigualdade.

Revolta da Chibata na república - o que foi?

Guerra do Contestado na República Oligárquica – 1912

A guerra ocorreu na região de Contestado que está entre Paraná e Santa Catarina. Uma das maiores manifestações desse problema se dava pela pressão exercida por grandes proprietários de terra que forçaram agregados e posseiros a se estabelecerem em outras terras.

Além disso, a construção de uma enorme estrada de ferro interligando os estados de São Paulo e Rio Grande do Sul conseguiu agravar o problema social ali instalado. Sob a liderança do empresário Percival Farquhar, a Brazil Railway Company comprou uma extensa área para construção desta estrada, onde diversas famílias já estavam instaladas.

E então, no site do Senado encontramos o seguinte detalhamento: “Farquhar ganhou do governo brasileiro as terras situadas às margens da ferrovia, uma vasta faixa de 15 quilômetros de cada lado. Depois da construção da estrada de ferro, a região, coberta de matas de árvores nobres como a araucária, começou a ser desmatada. O empresário ergueu lá a maior madeireira da América do Sul na época e uma companhia colonizadora que, depois do desmate, venderia as terras a imigrantes europeus.”

A primeira guerra mundial e seu impacto

No governo de Venceslau Brás em 1914, ocorreu a primeira guerra mundial.

Portanto, no meio de todo o caos, a economia cafeeira ficou completamente impactada. As importações para a Europa diminuíram. Com isso, os empreendedores e donos de fazendas tiveram que queimar diversas sacas de café.

Imagem que define a situação da primeira guerra.

Movimento Tenentista na República Velha- 1922

Revoltas de jovens oficiais começaram a ocorrer pois eram contra às votações fraudadas pelas oligarquias. Isso se deve principalmente pela vitória de Bernardes nas eleições (1922/1926).

Com base nisso, 17 oficiais e mais 1 civil decidiram marchar pela Avenida Atlântica em direção a mais de 3 mil homens do governo, apenas dois deles conseguiram fugir. Todos sabiam que eles não teriam chances, contudo, essa atitude despertou no povo uma enorme sede de justiça. Portanto, na década de 20 o movimento se espalha por todos os lugares.

Movimento Tenentista: O que foi e quais as consequências.

Os tenentistas e a Revolta Paulista de 1924

Os objetivos da Revolta Paulista eram os mesmos que da Revolta dos 18 do Forte de Copacabana: voto secreto, reformas no ensino público, poder político ao exército, fim da corrupção e destituição do presidente, ou seja, lutavam pelo o fim do governo vigente na República Velha.

Logo em 1924, militares tomam a cidade de São Paulo por 23 dias, sendo o objetivo principal derrubar o governo de Artur Bernardes. Contudo, as tropas de Bernardes cercam os tenentes e matam a todos, destroem os prédios e espalham o sangue na cidade.

Existem relatos que cerca de 300 mil pessoas tiveram que se deslocar da cidade de São Paulo, para protegerem suas vidas. Esta foi uma das maiores revoltas ocorridas na região.

Diante desta situação insatisfatória, muitos tenentistas migraram para a região sul a fim de conquista territórios, entretanto, não tiveram êxito. Então, juntaram-se a Luís Carlos Prestes em seu movimento elaborado: Coluna Prestes. Essa política tinha os mesmos intuitos que a revolta paulista em 1924, ela também convocava todos os estados para derrubar a república oligárquica.

Revolta Paulista e a República Velha

Venha conhecer um pouco mais da REPÚBLICA OLIGÁRQUICA em nossos artigos!

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.